Madeira: CDS-PP destaca Orçamento Regional de rigor

Os centristas sublinham que apesar do rigor do Orçamento Regional existe sensibilidade com as áreas sociais. “O Orçamento Regional tem 344 milhões de euros para fazer face à pandemia”, acrescentou o CDS-PP.

Créditos: Élvio Fernandes

Para o CDS-PP o Orçamento Regional, para 2021, é de rigor.

Durante a discussão do Orçamento Regional da Madeira e do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração da Região Autónoma da Madeira (PIDDAR), que se iniciou esta terça-feira, na Assembleia Legislativa da Madeira, Lopes da Fonseca, deputado do CDS-PP, referiu que desde que o executivo madeirense tomou posse, para um novo mandato, que 10 meses da governação foram influenciados pela pandemia.

“Temos plena consciência dos momentos difíceis que a pandemia criou na região, em termos económicos e sociais”, disse o deputado centrista.

Lopes da Fonseca referiu que o Orçamento Regional é de rigor, mas que é sensível com as áreas sociais. “O Orçamento Regional tem 344 milhões de euros para fazer face à pandemia”, acrescentou.

“Este Orçamento Regional tem e procura ser sensível às necessidades de famílias e empresas”, reforçou o deputado do CDS-PP.

CDS-PP critica PS

Lopes da Fonseca criticou o PS por dizer que o Orçamento Regional “não traz nada de novo”. O centrista sublinhou que o Orçamento Regional reduz impostos e mantém emprego.

“O que é o orçamento do PS. O que para o PS seria o orçamento. O que seria para o PS um bom Orçamento”, questionou o deputado do CDS-PP.

Recomendadas

O excesso de peso da mochila pode ser prejudicial à saúde do seu filho

É importante redobrar os cuidados e repensar nos materiais a levar para a escola, já que a mochila com peso tem um forte impacto na postura da criança.

Madeira: ACIF participa na quinta reunião transnacional do projeto BLUE-TEC

O projeto visa promover o crescimento inteligente do turismo náutico e costeiro da Macaronésia.

PSD/Açores disponível para novo modelo de financiamento dos bombeiros

O deputado regional social-democrata Luís Soares considerou necessário “saber como funcionam os mecanismos de acesso aos fundos comunitários, mantendo uma porta direta pelos bombeiros, em vez das candidaturas serem elegíveis somente através das câmaras municipais”.
Comentários