Madeira com melhor ano turístico de sempre devido à guerra da Ucrânia, diz Miguel Albuquerque

Afirmando que “os males dos outros, às vezes, são o nosso benefício”, Miguel Albuquerque realçou que “alguns destinos não são, neste momento, tão atrativos devido à guerra na Ucrânia”.

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, perspetivou hoje que 2022 será o melhor ano de sempre para o turismo da região porque vai beneficiar dos problemas do conflito na Ucrânia.

“As perspetivas é este ser o melhor ano de sempre [para o turismo da Madeira]”, disse o chefe do executivo madeirense na visita a uma unidade de turismo rural na freguesia da Tabua, no concelho da Ponta do Sol, na zona oeste da ilha.

O líder madeirense complementou que “o turismo está a crescer” e que esta região “vai fechar o ano como o melhor de sempre” e terá o “melhor inverno” turístico.

“A perspetiva na Europa, devido ao problema energético, é que a Madeira seja ponto de confluência de cidadãos da Europa para passar alguns meses de inverno”, apontou.

Afirmando que “os males dos outros, às vezes, são o nosso benefício”, Miguel Albuquerque realçou que “alguns destinos não são, neste momento, tão atrativos devido à guerra na Ucrânia”.

O governante insular destacou que o ano turístico da Madeira “tem sido muito bom”, apontando que se registou “um aumento da oferta” nas companhias aéreas e que estão a ser “negociados alguns destinos”, como a retoma da ligação aos Estados Unidos da América, com um voo da Sata, a partir de outubro.

“E temos perspetivas de voos diretos de outros destinos”, acrescentou, destacando que o turismo da Madeira “pode sempre crescer”.

No seu entender, “saturação é um destino estar vazio e não ter gente”, sublinhando que quando este “tem turismo a usufruir dos espaços, não tem que se lamentar” e os “pequenos problemas” que surgem devem ser resolvidos.

“Interessa é que pessoas venham à Madeira, gastem o dinheiro e contribuam para garantir rendimento para as empresas e famílias”, vincou.

Miguel Albuquerque realçou a importância da “diversificação” da oferta, em que se complementam o turismo urbano, rural e local.

“A ideia é diversificar os mercados. A Madeira não pode ficar dependente de um ou dois mercados”, argumentou.

À margem desta visita, questionado pelos jornalistas, o também líder do PSD/Madeira criticou “os dois ou três elementos dentro do partido que querem armar confusão” e, recorrendo ao anonimato, vão para os jornais desencadear polémicas sobre a coligação com o CDS-PP para as eleições regionais de 2023.

“A estratégia do PSD [Madeira] está aprovada em congresso e vai ser seguida. Isto não é o PS onde toda a gente manda. Aqui há uma comissão política eleita e a estratégia vai ser concretizada. Podem mandar as bocas que quiserem para os jornais”, argumentou.

Na passada sexta-feira, Miguel Albuquerque confirmou que o PSD e o CDS-PP vão concorrer juntos às eleições legislativas da Madeira em 2023, renovando a coligação que governa a região desde 2019.

O presidente do executivo insular também se pronunciou sobre a situação de algumas 311 empresas sedeadas na Zona Franca da Madeira estarem a recorrer às instâncias judiciais a pedir a anulação da decisão da Comissão Europeia para devolver as verbas relativas a auxílios fiscais que terão recebido ‘ilegalmente’ entre 2007 e 2020, na ordem dos 833 milhões de euros.

“Devem reclamar e ir aos tribunais. A União Europeia é baseada no Estado de Direto e qualquer entidade que possa sentir-se injustiçada tem o direito de reclamar”, defendeu.

Recomendadas

Situação em Zaporizhzhia atingiu ponto “muito alarmante”, alerta diretor da Agência Internacional de Energia Atómica

A fábrica tem estado sob o controlo das tropas de Moscovo desde março, tendo sido mantida em funcionamento desde então por funcionários ucranianos.

Aviões militares russos cruzaram zona de defesa aérea do Alaska pelo menos três vezes esta semana

O caso mais recente ocorreu entre segunda e quarta-feira, revelou o Comando de Defesa do Espaço Aéreo Norte-Americano.

Ex-chanceler alemão processa parlamento depois de perder privilégios por ligação a Putin (com áudio)

De acordo com a lei alemã, os ex-chancelers têm direito a um cargo e a pessoal financiado pelo Estado mesmo depois de terminarem o seu mandato, mas os deputados votaram pela cessão dos seus privilégios quando Schroeder se recusou a cortar laços com Putin após a invasão da Ucrânia.
Comentários