Madeira: Comissão de Política Geral e Juventude dá parecer positivo ao Orçamento Regional para 2023

“As posições político partidárias foram reservadas para a discussão em sede de plenário”, adiantou Jacinto Serrão.

A Comissão Especializada de Política Geral e Juventude deu, esta quarta-feira, parecer positivo à “Proposta do Orçamento da Região Autónoma da Madeira para 2023” e à “Proposta do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira para 2023 – PIDDAR 2023”.

“Do ponto de vista regimental e estatutário, estas iniciativas do Governo reúnem todas as condições para serem aprovadas nesta comissão e agora seguem para a 2.ª Comissão Especializada (Economia, Finanças e Turismo) para análise detalhada”, começou por explicar o presidente da Comissão de Política Geral e Juventude, Jacinto Serrão.

“As posições político partidárias foram reservadas para a discussão em sede de plenário”, adiantou.

“É de registar, tal como foi dito pelo deputado do PCP Ricardo Lume, que esta iniciativa do Governo entrou com tempo suficiente para ser analisada com detalhe por parte dos senhores deputados da Assembleia Legislativa da Madeira, o que é sempre uma nota de registo positivo”, vincou Jacinto Serrão.

Recomendadas

Proteção Civil dos Açores pede à população que fique em casa devido ao mau tempo

Todas as ilhas dos Açores possuem vários avisos, alguns deles laranja, correspondentes a situações meteorológicas “de risco moderado a elevado”. No grupo ocidental o aviso é laranja mas está perto do vermelho, alerta a Proteção Civil.

PS acusa Lopes da Fonseca de mentir sobre construção de novas residências universitárias na Madeira

Rui Caetano salienta que a nova residência universitária garantida para o Funchal representa um investimento de 6,5 milhões de euros e irá disponibilizar 200 camas para estudantes universitários.

Eutanásia. Presidente da Assembleia da Madeira alega que Região não foi ouvida e pede veto

O presidente do parlamento da Madeira apelou hoje ao Presidente da República que não promulgue o diploma da despenalização da morte medicamente assistida, considerando que está ferido de inconstitucionalidade por falta de audição das Regiões Autónomas.
Comentários