Madeira: Emanuel Câmara diz que “política de proximidade” é importante para grande resultado nas autárquicas

O presidente do PS Madeira diz que é preciso que essa política de proximidade com as pessoas defenda e vinque o ADN socialista.

O presidente do PS Madeira, Emanuel Câmara, diz que é preciso um bom resultado nas autárquicas para concretizar a alternâncias democrática na região nas eleições regionais, durante o jantar de natal do partido. Para isso o líder socialista madeirense diz que é preciso uma política de proximidade com as pessoas que “defenda e vinque” o ADN socialista.

“Só com esse grande resultado podemos pensar daqui a quatro anos finalmente sermos poder na Região Autónoma da Madeira”, disse Emanuel Câmara sobre as expectativas para as autárquicas.

Emanuel Câmara disse ainda que de “forma contra-natura” o CDS-PP serve de bengala para a “perpetuação do PSD no poder” depois de terem sido “escorraçados e humilhados” durante 43 anos de governação social democrata.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/parlamento-da-madeira-1/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”1136″ slug=”parlamento-da-madeira-1″ thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/parlamento-da-madeira-1/thumbnail?version=1573662702424&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Recomendadas

Comprar presentes de Natal a crédito é uma boa opção? Saiba aqui

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato.

Reputação!

Num mundo que todos dizem pretender agregar, ainda que alguns o façam pela lei da força, a Union Jack apostou no afastamento! Se o Reino Unido fosse submetido a uma página de feedback do Amazon ou do Aliexpress, receberia 1 estrela, por engano ao cliente e principalmente por mentira “in House”.

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.
Comentários