Madeira envia 18 toneladas de bens para a Ucrânia

Estão incluídos bens alimentares, artigos de higiene pessoal, roupas para adultos e crianças, artigos domésticos, carrinhos de bebés, andarilhos e até cadeira de rodas. Trata-se de uma iniciativa do Grupo Girão, em parceria com a Direção Regional das Comunidades e Cooperação Externa (DRCCE) e a Associação de Ucranianos de Portugal – Delegação da Madeira.

São 18 toneladas de bens que seguem da Madeira para a Ucrânia, que incluem bens alimentares, artigos de higiene pessoal, roupas para adultos e crianças, artigos domésticos, carrinhos de bebés, andarilhos e até cadeira de rodas.

Trata-se de uma iniciativa do Grupo Girão, em parceria com a Direção Regional das Comunidades e Cooperação Externa (DRCCE) e a Associação de Ucranianos de Portugal – Delegação da Madeira, resultado de uma campanha solidária de angariação de bens de primeira necessidade, há duas semanas, e que contou com os donativos dos cerca de 100 colaboradores da empresa e da população da freguesia da Quinta Grande.

“O Grupo Girão é um exemplo para outras empresas. Não só fez a recolha [dos donativos], como tratou de toda a logística, e assumiu o transporte para Lisboa. Nós apadrinhámos e acarinhámos esta iniciativa solidária do Grupo Girão e estamos disponíveis para fazê-lo com outras empresas. A Direção Regional já foi contactada por outras entidades, agora aguardamos a concretização dessas iniciativas”, disse o diretor regional das Comunidade e Cooperação Externa, Rui Abreu.

Já a CEO do Grupo Girão, Denise Nunes, referiu que a empresa teve a ideia de “dar o seu contributo e de fazer chegar algum apoio madeirense a terras bem distantes como a Ucrânia, mas que estão perto do nosso coração, dos nossos valores e da nossa história europeia”.

Denise Nunes acrescentou que “fica um sentimento de orgulho partilhado com as pessoas que contribuíram para esta ação solidária. Uma sensação de satisfação em adotar estratégias que visam a nossa responsabilidade social enquanto empresa. Nunca é demais ser solidário”.

O diretor regional das Comunidades disse ainda que o Governo Regional está disponível para receber refugiados ucranianos, salientando que a maioria dos refugiados que escolhe a Madeira para se estabelecer é porque possui redes de apoio de familiares que estão na Região há vários anos.

“Ainda assim, a maioria opta por ficar no continente [europeu] à espera que o conflito acabe para depois poder regressar mais facilmente ao seu país”, disse Rui Abreu.

Já o representante da Associação dos Ucranianos de Portugal, da delegação da Madeira, Pavlo Banach, agradeceu os donativos. “Sentimos muito a ajuda, o apoio e o carinho do povo madeirense. Isso dá-nos força. Uma força que transmitimos aos nossos compatriotas que tanto precisam, tendo em conta as dificuldades que estão a passar”.

Pavlo Banach referiu que neste momento existem dez milhões de deslocados na Ucrânia, sendo que cerca de quatro milhões saíram do país, e salientou que “toda a ajuda é bem-vinda”.

Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Casas mais “verdes” e ajustadas ao bolso português

Especialistas do sector imobiliário defendem uma recuperação do parque habitacional que está envelhecido e que por isso consome demasiada energia e pedem uma maior facilidade nos licenciamentos para a aprovação de projetos.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários