Madeira estuda possibilidade de implementar taxa para percursos pedestres

Os 1,6 milhões de euros que o Governo Regional vai atribuir ao campo de golfe do Santo da Serra foi criticado pelo JPP e PS. O executivo madeirense diz que vai investir na eficiência hídrica e num sistema de rega mais eficiente numa propriedade que é da Região Autónoma.

O Governo Regional está a estudar a possibilidade e implementar uma eco-taxa para os percursos pedestres, referiu Susana Prada, secretária regional do Ambiente e Recursos Naturais.

A governante respondia a Sílvia Vasconcelos, deputada do PCP, que questionava o motivo do executivo resistir a aplicação de uma eco-taxa no valor de um euro, aos turistas, que “poderia gerar receitas de sete milhões de euros” para a Região.

“O Governo Regional tem 2,3 milhões de euros para manutenção dos espaços naturais, dos percursos pedestres , e zonas de lazer. Temos receita vindas de sete concessões, das entradas no Jardim Botânico, no Jardim do Imperador, e a partir de janeiro no Parque Florestal do Ribeiro Frio. Esta receita é utilizada na manutenção dos percursos”, explicou Susana Prada.

O campo de golfe do Santo da Serra, e os 1,6 milhões de euros que o Governo Regional vai pagar por não ter garantido o caudal de água suficiente, foi outro tema a marcar a discussão do Orçamento Regional para o Ambiente e os Recursos Naturais.

O JPP apelou, através de Rafael Nunes, a que o executivo regional conceda uma indemnização compensatória aos agricultores, quando existem falhas no abastecimento de água, tal como o Governo Regional fez com o campo de golfe.

“Criticam o investimento do Governo no campo que é propriedade da Região. Vou relembrar. O custo global de levar água as agricultores no regadio são quatro milhões de euros e três milhões de euros vêm do executivo regional, para compensar agricultores e compensar eventuais constrangimentos que possam existir nos anos menos chuvosos”, esclareceu Susana Prada.

“O Governo já está a compensar os agricultores”, disse.

O deputado do PS, Victor Freitas, lançou também críticas à verba gasta pelo Governo Regional no campo de golfe do Santo da Serra.

“O Governo vai investir na eficiência hídrica e num sistema de rega mais eficiente. Os 1,6 milhões de euros são para uma propriedade do Governo Regional” referiu a governante em resposta ao deputado do PS.

Relacionadas

Orçamento Regional disponibiliza 500 mil euros para renovar parque informático escolar

Com esta verba fica concluída a renovação do parque informático da Madeira, assegurou o secretário regional da Educação, durante o debate do Orçamento Regional que decorre na Assembleia Legislativa da Madeira.

Oposição pede mais medidas de apoio ao combate à pobreza na Madeira

A oposição pediu que o executivo madeirense devolve-se à população aquilo que pagam a mais, em termos de impostos, tendo em conta o crescimento económico, e que ainda contemplasse um complemento social para os idosos. Em resposta Pedro Calado salientou que no Plano de investimento e Despesas (PIDDAR) estão contemplados mais 104 milhões para investimento global e muito dele na área social.

Receitas fiscais devem cair 9 milhões de euros na Madeira

As despesas de funcionamento devem passar de 31% para 20%, em termos de peso no PIB. A estimativa é que a taxa de desemprego fique nos 8,1%, e exista um crescimento económico de 2,3% na Madeira.

Orçamento Regional com reforço de 100 milhões de euros

A discussão do Orçamento Regional para 2019 começa na próxima terça-feira, prolongando-se por quatro dias, na Assembleia Regional da Madeira.
Recomendadas

O excesso de peso da mochila pode ser prejudicial à saúde do seu filho

É importante redobrar os cuidados e repensar nos materiais a levar para a escola, já que a mochila com peso tem um forte impacto na postura da criança.

Madeira: ACIF participa na quinta reunião transnacional do projeto BLUE-TEC

O projeto visa promover o crescimento inteligente do turismo náutico e costeiro da Macaronésia.

PSD/Açores disponível para novo modelo de financiamento dos bombeiros

O deputado regional social-democrata Luís Soares considerou necessário “saber como funcionam os mecanismos de acesso aos fundos comunitários, mantendo uma porta direta pelos bombeiros, em vez das candidaturas serem elegíveis somente através das câmaras municipais”.
Comentários