Madeira: Expo Pecuária regressa à Ponta Delgada este fim de semana

O evento, que se realiza este fim de semana, dias 25 e 26 de junho, vai já na sua sétima edição, tendo sido cancelado em 2020 e 2021 devido à pandemia por Covid-19.

A Expo Pecuária, uma iniciativa da Junta de Freguesia da Ponta Delgada, regressa à freguesia após dois anos de hiatus devido à pandemia por Covid-19.

O evento, que se realiza este fim de semana, dias 25 e 26 de junho, em frente à escola da Ponta Delgada, vai já na sua sétima edição, tendo tido início em 2014.

A Expo Pecuária foi um evento criado a pedido dos produtores locais, para dar visibilidade às suas explorações, e facilitar e apoiar os produtores no que diz respeito a obrigações legais, formalizações burocráticas e técnicas que implicam a criação de animais.

As tosquias das ovelhas também foram incluídas neste evento, de forma a reavivar uma antiga tradição. Nesta edição, estarão expostas várias espécies de animais (caprinos, bovinos, ovinos, aves, suínos e equídeos), distribuídos pelos vários currais disponíveis, com dez expositores nas diversas vertentes. Haverá ainda o tradicional ritual da bênção dos animais em exposição.

São quatro as barracas de ‘comes-e-bebes’, bolo do caco e espetada regional.

 

 

 

Recomendadas

Madeira: BE reivindica medidas que promovam reciclagem e economia circular

O partido considera que é preciso haver campanhas de sensibilização que alertem para a importância da reciclagem, já que a Madeira “uma das regiões do país com a mais baixa taxa de reciclagem, que atinge apenas os 13%”.

Presidente do Iasaúde diz que descentralização do serviço tem permitido “atendimento mais eficiente”

Nos primeiros seis meses do ano 549 novos utentes inscreveram-se no Serviço Regional de Saúde (SRS) através dos serviços de reembolsos nas localidades fora do Funchal, com a Ribeira Brava a representar 22,8% dos inscritos.

Nova lei das telecomunicações protege consumidores que querem cancelar um contrato (com áudio)

De acordo com a nova lei, publicada dia 16 deste mês, esta situação será modificada. A nova lei prevê que nos casos em que o motivo se trata de desemprego, doença prolongada ou emigração, os consumidores poderão rescindir o contrato sem ter que efetuar qualquer pagamento.
Comentários