Madeira gasta mais de 2,5 milhões no Natal e Fim de Ano

O Governo Regional da Madeira vai gastar este ano mais de 2,5 milhões de euros nas festas da Natal e Fim de Ano, um dos mais importantes cartazes da ilha, disse hoje a secretária regional do Turismo madeirense.   Conceição Estudante anunciou, em conferência de imprensa, que o investimento representa uma poupança de 100 mil […]

O Governo Regional da Madeira vai gastar este ano mais de 2,5 milhões de euros nas festas da Natal e Fim de Ano, um dos mais importantes cartazes da ilha, disse hoje a secretária regional do Turismo madeirense.

 

Conceição Estudante anunciou, em conferência de imprensa, que o investimento representa uma poupança de 100 mil euros em comparação com o montante gasto em 20013, sendo que as maiores fatias vão para as iluminações (1,194 milhões de euros) e para o espetáculo de fogo-de-artifício da passagem de ano, na baía do Funchal (1,046 milhões de euros).

 

Sobre a taxa de ocupação hoteleira nesta época, a governante disse que indicações recolhidas na quarta-feira apontavam, já, para uma média global de 60% no Natal e cerca de 90% no final do ano, perspetivando que estes valores “ainda poderão sofrer alterações e aumentar” e “são já superiores em três pontos percentuais” em relação aos registados no ano passado.

 

A responsável salientou que este é um programa “longo, muito recheado, que mantém as características dos anos anteriores, um figurino que já tem provas de sucesso dadas”, que foi idealizado para se desenrolar “em crescendo” ao longo dos 36 dias e termina a 06 de janeiro, no Dia dos Reis.

 

Conceição Estudante adiantou que o programa começa com as iluminações de Natal, que acendem na baixa da cidade a 01 de dezembro, estendendo-se as luzes ao anfiteatro da cidade, no dia 08.

 

Este evento tem uma grande componente musical, com espetáculos nas ruas, igrejas, jardins e nas diversas salas do Funchal, protagonizados por grupos como as orquestras Clássica, Ligeira e de Bandolins da Madeira, além de tunas, dos 19 grupos folclóricos e 16 bandas filarmónicas.

 

“O início oficial das festividades é a 12 de dezembro e vamos ter um grande concerto de abertura com a Madeira Christmas Band, no adro da Sé”, destacou.

 

As tradicionais ‘missas do parto’ na Sé, a ‘noite do mercado’ (23 de dezembro), a volta à cidade em atletismo (dia 28), a árvore de Natal gigante enfeitada por alunos de uma das creches do concelho, o presépio dos utentes do Lar Santa Isabel e o tradicional presépio na placa central, a aldeia etnográfica, o ‘Natal das Crianças’ no jardim municipal e exposições, são outras ações programadas.

 

A governante destacou, também, a participação da Escola Profissional de Hotelaria da Madeira, que vai promover a doçaria e gastronomia regionais da época natalícia no Largo do Chafariz.

 

A secretária madeirense apelou aos comerciantes e residentes na baixa de Funchal que “colaborem” no processo de colocação do projeto inovador da iluminação, da autoria do arquiteto Paulo David, admitindo que “inicialmente surgiram algumas resistências” na cedência de acesso a varandas e garantiu que algum eventual dano será reparado.

 

O ponto alto será o espetáculo de fogo com a duração de oito minutos, disparado a partir de 34 postos na baía, na orla costeira e no anfiteatro.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

As medidas anunciadas pela Alemanha para mitigar a crise energética incluem cortes nos impostos com o intuito de impulsionar a economia. No entanto, existe o risco de causarem um disparo na inflação, bem como a desvalorização da moeda, tal como aconteceu com o Reino Unido.

UGT quer atualização salarial de 7,5% em 2023 e salário mínimo nos 765 euros

A UGT propõe aumentos salariais de 7,5% em 2023 para os setores público e privado, com um mínimo de 60 euros por trabalhador, e uma atualização do salário mínimo para 765 euros, segundo a política reivindicativa hoje aprovada.

AHRESP propõe 25 medidas para o OE 2023 para reduzir impacto da inflação

O cenário do próximo ano é “muito pessimista para o tecido empresarial”, pelo que são necessárias medidas de apoio às empresas e famílias, de acordo com a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal