Madeira: Governo Regional traça meta de 60% de produção de energia elétrica através de fontes renováveis até 2030

Pedro Fino esteve esta quarta-feira numa visita à empreitada na ViaLitoral, que tem em curso vários investimentos para melhorar a eficiência energética das suas instalações elétricas na parte concessionada da VR1 e minimizar o seu impacto ambiental

O Governo Regional da Madeira traçou a meta de 60% de produção de energia elétrica através de fontes renováveis até 2030, indicou o Secretário Regional dos Equipamentos e Infraestruturas, Pedro Fino.

O governante esteve esta quarta-feira numa visita à empreitada na ViaLitoral, que tem em curso vários investimentos para melhorar a eficiência energética das suas instalações elétricas na parte concessionada da VR1 e minimizar o seu impacto ambiental, num esforço financeiro suportado a 100% pela concessionária.

De entre estes investimentos constam, assim, a alteração para leds da iluminação de plena via e ramos da parte concessionada da VR1 e ao início da substituição da iluminação dos túneis. A sede da ViaLitoral conta também já com uma unidade de autoprodução fotovoltaica.

Com este investimento, a VIALITORAL visa, de forma sustentável e impercetível aos utilizadores, reduzir o desperdício de energia em iluminação através de novas tecnologias, com regulação adaptáveis às condições de exploração e reduzir o encadeamento e luz intrusiva sobre os condutores, prevenindo cansaço visual ou até perda de acuidade visual.

O objetivo é também reduzir a poluição luminosa ecológica, de forma a minimizar os seus efeitos adversos sobre insetos, plantas e animais, preservando o seu habitat, com especial relevância para a avifauna marítima noturna e aumentar a produção de energia renovável para autoconsumo (UPAC), reduzindo os custos financeiros e as emissões de CO2 provenientes da produção de energia elétrica pela Empresa de Eletricidade.

A alteração para leds em plena via, a alteração para leds do Túnel do Jardim Botânico, a alteração para leds da galeria sul do Túnel da Ribeira Brava e a instalação no edifício sede da ViaLitoral de uma Unidade de Produção para Autoconsumo (UPAC) representam, no total, um investimento da ViaLitoral de 802,3 mil euros.

A Secretaria Regional de Equipamentos e Infraestruturas, através da Direção Regional de Estradas, procedeu, também em dezembro de 2019, à substituição da iluminação dos túneis, com o objetivo de reduzir os custos energéticos e aumentar a eficiência energética pela via da implementação da solução da tecnologia LED.

“A sustentabilidade ambiental é uma prioridade e um compromisso assumido pelo Governo Regional e este importante investimento está alinhado com a estratégia do Governo Regional para a eficiência energética, reduzindo o consumo dos combustíveis fósseis na produção de energia, promovendo a proteção ambiental e a segurança energética, com uma relação custo-benefício favorável”, explicou Pedro Fino.

Recomendadas

Parlamentos da Madeira e dos Açores defendem alargamento dos apoios nacionais às empresas das ilhas

Esta medida “visa estender às regiões autónomas um apoio nacional às empresas, consagrado no diploma que fixa o salário mínimo nacional. Um apoio que neste momento está consagrado apenas para o território continental”, salientou o deputado do PSD Brício Araújo, presidente da comissão Especializada de Administração Pública, Trabalho e Emprego da Assembleia Legislativa da Madeira.

OE2022: PSD lamenta ausência de financiamento adicional da Universidade da Madeira

O deputado do PSD Válter Correia criticou a falta de soluções no Orçamento do Estado de 2022 (OE2022) para a questão do financiamento adicional dos estabelecimentos públicos de ensino superior das regiões autónomas, em particular da Universidade da Madeira. “Tratar com equidade os estabelecimentos de ensino superior insulares é uma responsabilidade constitucional do Estado, cuja […]

Açores: empresários de São Jorge querem “apoios imediatos” à liquidez

Os empresários referem que o tecido empresarial da ilha “estava fragilizado pela situação pandémica”, acrescentando que a situação sísmica “veio agravar as dificuldades de recuperação económica”.
Comentários