Madeira inaugura primeiro centro de design

A designer madeirense Nini Andrade acaba de inaugurar o primeiro design center na Madeira, onde nasceu, instalado no Forte de Nossa Senhora da Conceição, na entrada do porto do Funchal. Em declarações à agência Lusa, a propósito da concretização do seu sonho, Nini Andrade confessou que se trata do seu “projeto de vida”. A designer […]

A designer madeirense Nini Andrade acaba de inaugurar o primeiro design center na Madeira, onde nasceu, instalado no Forte de Nossa Senhora da Conceição, na entrada do porto do Funchal.

Em declarações à agência Lusa, a propósito da concretização do seu sonho, Nini Andrade confessou que se trata do seu “projeto de vida”. A designer adianta que o centro de design terá elementos que recordam a história da ‘mergulhança’, numa homenagem aos jovens que, noutros tempos, mergulhavam para apanhar as moedas que os turistas nos barcos deitavam à água. O projeto está instalado num edifício classificado como de interesse público e integra um museu onde não faltam a premiada cadeira de Cristiano Ronaldo, a quadros, projetos de hotéis e prémios que tem recebido em todo o mundo, além de uma loja com bordados, vimes, miniaturas de ‘vapores do cabo’ (navios que passavam na ilha a caminho de África do Sul) e peças feitas por vários designers, além de uma cafetaria e um restaurante, que tem como responsável o chef Miguel Laffan, com uma estrela Michelin, e o chefe pasteleiro francês Damien Hirst. “À noite o ateliê vira restaurante”, explica Nini Andrade, adiantando que o próximo passo é fazer o projeto crescer para Lisboa e, depois, para outros pontos do mundo. Mas não para já. “Quero é mesmo é ficar aqui. Agora a minha ideia é trazer os clientes cá para se reunirem comigo em vez de eu ter eu de ir lá”, acrescenta.

Recomendadas

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.

Cáritas já recebe pedidos de quem não consegue pagar empréstimo da casa

“O pânico foi imediato. O receio das pessoas, a angústia com que se aproximavam de nós a dizer ‘ai, se eu perco a minha casa’. É que nós tivemos uma crise em que houve muita gente a perder a casa; é recente ainda, está na memória das pessoas – 2008”, afirmou Rita Valadas.

Expectativas de exportação na Alemanha aumentam em novembro, diz Ifo

Depois de uma queda no mês anterior, a indústria automóvel volta a ter expectativa de crescimento nas exportações.