Madeira: JPP quer provas do Governo Regional de como a banana da Madeira é bem paga ao agricultor

Élvio Sousa falava esta terça-feira, na Assembleia Legislativa da Madeira, durante o Debate Mensal, dedicado ao tema da Economia da Região, e com a presença do Presidente do Governo Regional e de alguns elementos do Executivo.

O líder parlamentar do Juntos pelo Povo (JPP), Élvio Sousa, quer provas de como a banana da Madeira é bem paga ao produtor e ao agricultor.

Élvio Sousa falava esta terça-feira, na Assembleia Legislativa da Madeira, durante o Debate Mensal, dedicado ao tema da Economia da Região, e com a presença do Presidente do Governo Regional e de alguns elementos do Executivo.

O deputado frisou, relembrando declarações de Miguel Albuquerque de que a banana da Madeira é a mais bem paga da Europa e a mais bem paga ao produtor, que as faturas dos produtores e dos agricultores mostram que há 16 anos a banana extra, produto premium, era paga a mais 30 cêntimos por quilo do que hoje.

Élvio Sousa destaca ainda que quer o Plano de Desenvolvimento Económico e Social da Região, quer o Plano para o Ordenamento do Território da RAM (POTRAM) referem a necessidade de diversificar a economia, através do desenvolvimento rural.

Recomendadas

Orçamento do Funchal para 2023 aprovado por maioria na Assembleia Municipal

A proposta de Orçamento da Câmara Municipal do Funchal para 2023 foi aprovada com os votos a favor dos 25 deputados da coligação PSD/CDS-PP, contando com os votos contra do PS (nove deputados), BE (três), PAN (um), MPT (um) e CDU (um).

O que é o spread no crédito à habitação e como saber se está adequado? Saiba aqui

Para quem contratou crédito à habitação há mais de dez anos é possível que esteja a pagar um spread elevado, se comparado com o atualmente praticado no mercado. Atualmente há ofertas bancárias com spreads abaixo de 1% no crédito à habitação, com bancos a oferecer spreads de 0,85%.

Madeira: Secretário das Finanças apresenta Orçamento Regional na Comissão de Economia, Finanças e Turismo

“São mantidas as reduções do IRC e da Derrama, havendo ainda a previsão de manter a intervenção na fixação dos preços dos combustíveis, à semelhança do que está a ser feito este ano”, apontou Rogério Gouveia.
Comentários