Madeira: PAN pede políticas de combate à pobreza

O PAN defende a criação de um grupo de trabalho transversal que envolva secretarias, câmaras municipais e organizações, de modo a combater a pobreza.

Carlos Garcia Rawlins/REUTERS

O PAN enviou ao executivo madeirense, e aos municípios da Região, propostas que têm como objetivo criar uma estratégia regional e municipal de combate à pobreza. O partido alerta que a Região Autónoma da Madeira é a que possui mais pobres no país. A força partidária culpa o Governo Regional (PSD/CDS-PP) de ter transformado a Região “em poucos anos na região mais pobre de Portugal”.

“Os habitantes da Madeira e do Porto Santo são aqueles que têm visto as suas condições de vida piorarem, ao mesmo tempo que se alarga o fosso entre ricos e pobres e a classe média se encontra em situação de risco. Na Madeira o estar empregado já não é sinónimo de ter nem qualidade, nem dignidade de vida”, disse a Comissão Política Regional do PAN.

A força partidária salientou a importância de reconhecer os casos de pobreza na Madeira e implementar medidas que ajudem a combater a pobreza.

Entre as medidas apresentadas pelo PAN estão: um grupo de trabalho transversal às diferentes secretarias, câmaras municipais e organizações para estudo e conhecimento das diferentes necessidades; criação de uma Estratégia de intervenção Regional de Combate à Pobreza agregando vários sectores (habitação, educação, saúde, emprego, entre outros).

“No combate à pobreza o papel do poder local e dos municípios é fundamental, através de soluções de proximidade”, sublinhou o PAN.

A força partidária considerou que a “função política assistencialista” das Casas do Povo é “um dos entraves à erradicação da pobreza extrema”. O PAN diz que as competências das Casas do Povo “devem-se diluir nas juntas de freguesia”.

Na Região o PAN defendeu a criação de uma Unidade de Missão conjunta, que envolva governo, municípios, ONG’s, para a identificação e combate à pobreza, com verbas vindas dos Orçamentos Regional e Municipal.

“O problema da pobreza na Madeira é um problema sistémico, onde uma grande parte dos governantes não pensam na geração seguinte, mas sim nas eleições seguintes, é o sermos governados por pessoas que não têm empatia pelo próximo, mas sim pelo seu bem-estar e riqueza pessoal”, afirmou o partido.

O PAN diz também ser “inconcebível” que atualmente uma em cada cinco crianças viva na pobreza.

“A carência alimentar a privação de acesso aos meios culturais, a falta de equidade nas escolas leva a que a pobreza infantil seja dramática, não só para esta geração, mas também para as gerações seguintes. A pobreza infantil é algo inaceitável numa sociedade moderna, desenvolvida e justa, sendo a situação desta na região algo que nos deve envergonhar a todos”, alertou o PAN.

O partido defende a implementação de medidas como: reforço dos apoios às parturientes, à maternidade/paternidade; assistência médica totalmente gratuita (para bebés, crianças, jovens, mulheres até aos 45 anos); gratuidade da educação da creche ao secundário (materiais escolares, o transporte escolar e as refeições escolares).

“Um dos fatores mais significativos na reprodução das desigualdades, são as desigualdades educativas, na Madeira sem um sistema educativo mais inclusivo e menos seletivo e discriminatório, será muito difícil romper com o círculo vicioso da pobreza e das desigualdades”, defendeu o PAN.

O partido considerou que é necessária uma “nova abordagem” no apoio aos doentes e aos idosos mais carenciados e dependentes “assente na articulação de respostas entre os municípios, a área da saúde e a área da educação, com forte aposta no apoio domiciliário de proximidade no caso dos doentes e idosos acamados”.

A força partidária pede que se olhe para as pessoas em situação de sem abrigo. “É dever fundamental do Estado tutelar e assegurar a proteção e integração dos cidadãos que se encontram em situações de especial vulnerabilidade e desproteção na nossa comunidade”, sublinhou o partido.

Recomendadas

PremiumSky Portugal abre escritório na Madeira

O novo espaço na Madeira conta atualmente com 20 pessoas, mas a intenção da empresa é recrutar cerca de 100 colaboradores no decurso deste ano, na área de engenharia, 15 dos quais no Funchal.

PremiumMadeira deve escapar à recessão

O turismo e imobiliário devem sustentar projeção de subida do PIB de 1,3% em 2023. Mas existem alertas para a importância de diversificação da economia e de mercados turísticos. Um dos riscos é o aumento de taxas de juro.

Premium“Este pode ser ano chave para aprovar nova Lei das Finanças Regionais”

Rogério Gouveia considera que dificilmente se encontra um quadro legislativo tão estável para aprovar a nova Lei das Finanças Regionais, face à estabilidade governativa na Madeira e nos Açores e a maioria absoluta na República. Nova lei permitiria baixar carga fiscal, defende.
Comentários