Madeira: PS acusa Governo Regional de negligenciar atividade pecuária

O PS considera que não existe uma estratégia para promover a pecuária regional, acrescentando que o abandono da atividade pecuária verificado ao longo dos anos, se deve aos “constrangimentos e imposições legais demasiado restritivas” na Madeira.

O PS Madeira acusou o Governo Regional de estar a negligenciar a atividade pecuária. Os socialistas referem que isso está a levar ao “crescente abandono de um setor que poderia contribuir para aumentar a soberania alimentar” da região.

“Não existe uma estratégia, não existe um plano de ação para promover a pecuária regional ou os benefícios que poderia trazer, talvez porque nem o próprio Governo Regional entenda a sua importância, a julgar pela forma como o executivo de Miguel Albuquerque tem negligenciado este setor”, disse o presidente do PS Madeira, Sérgio Gonçalves.

O socialista referiu que o abandono da atividade pecuária verificado ao longo dos anos, devido aos “constrangimentos e imposições legais demasiado restritivas” na Madeira, deu origem a um sistema agrícola “muito dependente de fatores de produção importados, que já vinha perdendo rentabilidade e que agora, num cenário de crise, com o aumento do custo das matérias-primas e com a desvalorização da produção regional, deixa de ser viável e está a provocar o aumento do número de agricultores que abandonam a atividade”.

Para os socialistas “não faz sentido apostar apenas” na produção de aves de capoeira quando “existem tantos terrenos ao abandono, subaproveitados ou ocupados por vegetação infestante, que poderiam servir para o pastoreio de animais, como os bovinos, os ovinos e os caprinos produzidos em modelos de baixo consumo e baixo impacto”.

O partido considera que o primeiro passo para “não deixar morrer” a pecuária na Madeira é “reconhecer o potencial dos seus produtos para o desenvolvimento económico e social da Região, sobretudo nos concelhos rurais que sofrem de desertificação e despovoamento, e valorizar os serviços públicos que a produção animal pode providenciar”.

O presidente do PS Madeira diz que a solução deve passar pela “implementação de sistemas produtivos e rentáveis, baseados em baixos consumos energéticos, devendo ser dada prioridade a espécies herbívoras, como os ovinos, os caprinos e os bovinos, fundamentais no aproveitamento e controlo de matos.

Sérgio Gonçalves diz ser fundamental “reinvestir na produção animal, culturalmente consagrada na nossa história, através da qual foi possível obter a matéria orgânica que garantiu a sanidade e a fertilidade dos solos produtivos e promover a ocupação sustentada do território agora abandonado, divulgando os benefícios da produção regional de carne de qualidade, de criação em liberdade e alimentada com recursos locais”.

O presidente do PS Madeira considera que a pecuária pode “contribuir para a soberania alimentar da Região e das famílias que a praticam, não só através da produção direta de alimentos para comercialização e autoconsumo, mas também pela possibilidade de tornar a agricultura menos dependente de fatores de produção externos e mais produtiva”.

O PS defende também a promoção da pecuária extensiva, a criação de apoios para a silvo-pastorícia, com incentivos por área pastoreada e limpa de invasoras como forma de prevenir incêndios.

Recomendadas

Madeira: BE reivindica medidas que promovam reciclagem e economia circular

O partido considera que é preciso haver campanhas de sensibilização que alertem para a importância da reciclagem, já que a Madeira “uma das regiões do país com a mais baixa taxa de reciclagem, que atinge apenas os 13%”.

Presidente do Iasaúde diz que descentralização do serviço tem permitido “atendimento mais eficiente”

Nos primeiros seis meses do ano 549 novos utentes inscreveram-se no Serviço Regional de Saúde (SRS) através dos serviços de reembolsos nas localidades fora do Funchal, com a Ribeira Brava a representar 22,8% dos inscritos.

Nova lei das telecomunicações protege consumidores que querem cancelar um contrato (com áudio)

De acordo com a nova lei, publicada dia 16 deste mês, esta situação será modificada. A nova lei prevê que nos casos em que o motivo se trata de desemprego, doença prolongada ou emigração, os consumidores poderão rescindir o contrato sem ter que efetuar qualquer pagamento.
Comentários