Madeira: PS pede urgência na atribuição de apoios às empresas e na manutenção de postos de trabalho

Os socialistas defendem que a situação do Reino Unido é uma “machadada muito grande” no turismo da Madeira. O PS diz que os apoios às empresas e à manutenção dos postos de trabalho são necessários porque evitam uma escalada nas falências e no desemprego.

O PS pede urgência na atribuição de apoios às empresas e na manutenção de postos de trabalho. Os socialistas mostraram preocupação com a situação que se vive no Reino Unido, devido ao aparecimento de uma nova variante do covid-19, e lembram que este é um dos principais mercados emissores de turistas para a região e aquela que mais estaria a contribuir para a “pequena retoma” que se estava a assistir no natal e fim do ano.

O deputado do PS, Sérgio Gonçalves, considerou que a situação do Reino Unido é uma “machadada muito grande” no setor do turismo, um setor que representa mais de um quarto de toda a atividade económica da região.

O socialista lembrou as dificuldades porque estão a passar as empresas dependentes do turismo, que sem clientes, não podem continuar de porta aberta.

O deputado do PS recorda que o PS tem defendido várias medidas de apoio às empresas, entre as quais apoios para o setor turístico, e também uma majoração para aqueles que dependem desta atividade.

“Entendemos que, neste momento, mais do que nunca, é necessário de facto atribuir esses apoios às empresas, à manutenção de postos de trabalho, de forma a evitar uma escalada quer de falências, quer de desemprego”, salientou.

O socialista diz que o Governo tem meios para conceder este tipo de apoio, e lembra que o executivo recorreu ao endividamento que pretendia, até em valor superior ao que estava previsto, teve as moratórias relativamente ao Plano de Ajustamento Económico e Financeiro, e tem o maior orçamento de sempre aprovado, um orçamento ao qual o PS “não se opôs, precisamente por ter noção do momento complicado em que vivemos e por ser necessário dar todas as condições a quem governa para poder implementar as medidas mais corretas”.

Sérgio Gonçalves diz que nesta momento é preciso injetar dinheiro na economia “para que as empresas possam sobreviver perante mais este fator adverso, que só vem demonstrar que a pandemia está ainda muito longe de acabar”.

O socialista insistiu que os apoios que têm sido dados são essencialmente a crédito, dando como exemplo as linhas de crédito de 100 e 20 milhões de euros. O deputado do PS diz que em muitos casos essas linhas obrigam a avales pessoais dos empresários, que estando já numa situação muito complicada e sem receitas “optam até por não recorrer a essas linhas, porque, efetivamente, a materialização a fundo perdido só se dá passado um ano e meio”, reforçando que até lá “não se sabe se o negócio vai sobreviver”.

Recomendadas

Assembleia da Madeira atribui Prémio +Valor Madeira a trabalhos académicos e científicos

O montante do Prémio é de cinco mil euros, podendo, ainda, haver lugar à atribuição de certificados a título de menções honrosas.

Governo da Madeira maximiza benefícios no Código Fiscal de Investimento

Rogério Gouveia apontou que, face à retração económica provocada pela crise pandémica, situação agravada pela guerra na Ucrânia, o Governo Regional, de coligação PSD/CDS-PP, considerou ser “fundamental a adoção de medidas de choque para a revitalização da economia”.

Socicorreia lança empresa na área da arquitetura

Com a Socicorreia Project, o proprietário receberá acompanhamento no momento de escolher e comprar mobiliário personalizado, de acordo com as suas exigências e tendências do mercado, na seleção de todos os equipamentos domésticos, e também em pormenores de decoração como a iluminação.
Comentários