Madeira: PS propõe soluções para garantir a segurança e a sustentabilidade dos trilhos da Região

Sérgio Gonçalves considerou que há que melhorar a sinalética existente, no sentido de dar outro tipo de informações aos turistas, e que é necessário implementar planos de segurança, que são fundamentais, em particular face ao volume de pessoas que frequentam estes percursos.

O Partido Socialista defende a implementação de medidas que garantam a segurança e a sustentabilidade dos espaços naturais na Região, em particular nos percursos pedestres, que são atualmente alvo de uma sobrecarga da pressão humana. Nesse sentido, o Grupo Parlamentar já deu entrada na Assembleia Legislativa a um projeto de decreto legislativo regional que visa a criação do Regime Jurídico dos Percursos Pedestres, Cicláveis ou Mistos.

Esta quarta-feira, os socialistas estiveram no Rabaçal, um dos locais de maior afluência de turistas, tendo Sérgio Gonçalves afirmado que é preciso garantir a sustentabilidade do destino e que, nesse sentido, “é necessário implementar soluções para evitar que a carga excessiva que tem ocorrido nestes pontos turísticos prejudique o património natural e cultural que aqui temos”.

O presidente do PS explicou que a proposta apresentada pelo partido visa regular esta atividade, tendo também em conta que a legislação aplicável já não é atualizada há mais de 20 anos. “A comissão de acompanhamento que existe reuniu-se apenas quatro vezes nos últimos dez anos e isto denota claramente uma falta de atenção por parte do Governo Regional a esta situação”, referiu, frisando que a importância que os percursos recomendados têm “exige outro tipo de atenção” por parte do Executivo.

Sérgio Gonçalves considerou que há que melhorar a sinalética existente, no sentido de dar outro tipo de informações aos turistas, e que é necessário implementar planos de segurança, que são fundamentais, em particular face ao volume de pessoas que frequentam estes percursos.

A par disso, defendeu a monitorização da carga humana, para que possam ser definidos limites de utilização, bem como apontou a possibilidade de haver um pagamento pela utilização dos percursos, numa lógica de utilizador-pagador. Uma cobrança que, a ser implementada, seria apenas aplicável aos turistas e não aos residentes, já que estes, “com os seus impostos e contribuições, já suportam parte da manutenção” destes espaços.

“É fundamental atualizar a legislação, que já não é adaptada há cerca de 20 anos, de forma a garantir essencialmente maior segurança e a sustentabilidade destes percursos e, sobretudo, do destino Madeira”, rematou.

Recomendadas

Madeira: Santo António abre candidaturas para apoio à aquisição de material escolar

Os alunos com o primeiro escalão da ASE receberão 25 euros, os alunos com o segundo escalão  terão direito a 30 euros, com o terceiro escalão receberão 35 euros e aos beneficiários do quarto e quinto escalão será atribuído um o montante de 40 euros.

Empréstimos às famílias da Madeira diminuem em 62,1 milhões de euros

No segundo trimestre de 2022, 72,7% dos empréstimos foram destinados ao segmento da habitação, e os restantes 27,3% a consumo e outros fins.

Rácio de crédito vencido e empréstimos a sociedades não financeiras aumentam na Madeira

No segundo trimestre de 2022, o saldo do volume de empréstimos concedidos a sociedades não financeiras (SNF) era de dois mil milhões de euros, mais 43,6 milhões de euros que no final de junho de 2021. No entanto, comparando ao trimestre anterior, este é inferior em 33,8 milhões.
Comentários