Madeira: Representante da República promulga novo regime jurídico que aumenta área de reserva das Selvagens até às doze milhas náuticas

O aumento da área de reserva até às doze milhas náuticas constitui “um importante passo na proteção de toda aquela área ecológica”, sublinha o Gabinete do Representante da República, que destaca que a medida mereceu a aprovação do Governo da República, que foi auscultado.

O Representante da República para a Região Autónoma da Madeira, Ireneu Barreto, promulgou esta sexta-feira o novo regime jurídico que aumenta a área de reserva das Ilhas Selvagens até às doze milhas náuticas.

O decreto legislativo regional, remetido pela Assembleia Legislativa, que “Aprova o novo regime jurídico da Reserva Natural das Ilhas Selvagens” foi já enviado para publicação.

O aumento da área de reserva até às doze milhas náuticas constitui “um importante passo na proteção de toda aquela área ecológica”, sublinha o Gabinete do Representante da República, que destaca que a medida mereceu a aprovação do Governo da República, que foi auscultado.

Por fim, Ireneu Barreto salienta “o interesse que os órgãos próprios da RAM vêem dedicando à conservação da natureza e à biodiversidade”.

Recomendadas

Madeira: Festival na Ponta do Sol recebe Tiago Bettencourt este sábado

Com atuação marcada para as 23h00 este sábado, dia 28 de maio, o cantor e compositor português e vocalista da antiga banda Toranja, Tiago Bettencourt, tem como temas mais conhecidos a rendição de ‘Canção do Engate, original de António Variações, e ‘Morena’. O seu mais recente álbum, ‘Rumo ao Eclipse’, foi lançado em 2020.

OE2022: Deputados do PSD-Madeira contrariam partido e abstêm-se de voto

Os deputados do PSD/Madeira justificaram hoje a sua abstenção na votação do Orçamento de Estado de 2022, aprovado hoje pela maioria parlamentar, por esperarem “boas concretizações” dos assuntos pendentes com a República e um melhor relacionamento institucional.

Governo dos Açores rejeita novas medidas para controlar pandemia de covid-19

 “Perante a inexistência de óbitos, perante a redução de casos em termos de internamentos em cuidados intensivos, não se afigura necessário tomar outras medidas. Se for necessário, tomaremos. Nesta fase, não”, afirmou.
Comentários