Madeira: “Só quem não leu este orçamento é que afirma que este não tem sensibilidade social”, diz CDS

O CDS frisou ainda a política social de redução de impostos para as famílias e para as empresas presentes no orçamento, bem como a priorização dos apoios à administração pública e o apoio aos estudantes.

O líder parlamentar do CDS/PP, António Lopes da Fonseca, acusou o Partido Socialista de “não ter argumentos válidos para votar contra” este orçamento, afirmando que “só quem não leu este orçamento é que afirma que este não tem sensibilidade social”, nomeadamente no que diz respeito à saúde e habitação.

No debate da Assembleia da Madeira sobre o Orçamento da Região Autónoma da Madeira para 2022, Lopes da Fonseca destacou ainda a “estratégia hercúlea” do Governo Regional em mitigar os efeitos da pandemia, presente já no orçamento de 2021, bem como a “enorme sensibilidade” que este orçamento tem para com os setores da educação, da saúde e da habitação.

O CDS frisou ainda a política social de redução de impostos para as famílias e para as empresas presentes no orçamento, bem como a priorização dos apoios à administração pública e o apoio aos estudantes.

António Lopes da Fonseca acusou ainda o Governo da República de prejudicar o Orçamento Regional, afirmando que “só não é melhor por falta de solidariedade do Estado”.

Recomendadas

Médicos internos preenchem totalidade das 39 vagas disponibilizadas à Madeira

Este processo, que decorre em simultâneo a nível nacional, é acompanhado na Região Autónoma da Madeira pelo Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE), entidade responsável pelo Internato Médico na Região.

Funchal: Prorrogado prazo de reabilitação da ETAR

Foi aprovada a participação da Câmara num instituto sem fins lucrativos, o Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Tecnológica (IDEA).

Madeira aprova 74 contratos-programa de desenvolvimento desportivo no valor de quatro milhões de euros

Foi autorizada ainda a celebração de um acordo de cooperação entre o Instituto de Segurança Social da Madeira e a Associação Santana Cidade Solidária, de 21,4 mil euros, relativo ao financiamento das respostas sociais loja social e atendimento e acompanhamento social.
Comentários