Sindicato dos TSDT considera “completamente inadmissível” rompimento de processo de negociação com Governo da Madeira

A Secretaria Regional da Saúde nega o rompimento de qualquer diálogo social com o Sindicato Nacional dos Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica “nem com nenhum outro sindicato”.

SESARAM

O Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (STSS) considera “completamente inadmissível” o rompimento do processo de negociação política que estava a ser realizado entre a Secretaria Regional da Saúde e os representantes dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (TSDT).

Os TSDT a trabalhar no Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM) vão reunir-se esta terça-feira, 14 de dezembro, às 14h, em plenário para decidirem formas de luta pela defesa dos seus direitos enquanto profissionais.

Em causa está o alegado rompimento do diálogo social por parte da Secretaria Regional da Saúde e Proteção Civil com o Sindicato Nacional dos TSDT (STSS).

O dirigente nacional do Sindicato na RAM, Roberto Silva, frisa que “todas as formas de luta estão em cima da mesa”, não excluindo, assim, o recurso à greve.

Em cima da mesa estão questões como a revisão da carreira, a atribuição de pontos ou a atribuição de subsídio de risco.

Para Roberto Silva “são diversas as matérias a serem negociadas, sendo que algumas resultam de compromissos políticos assumidos pelo Governo Regional e que compete à Secretaria Regional da Saúde a negociação, outras resultam da resposta ao processo pandémico e outras ainda de diversas situações que têm sido atempadamente reportadas ao Secretário Regional”.

O dirigente sindical salienta que a ausência de resposta por parte do Governo da Madeira “é uma surpresa”, frisando que “com maior ou menor dificuldade tem havido sempre diálogo com esta Secretaria Regional”, mas que “ultimamente, constatamos que a Secretaria Regional não quer prosseguir neste caminho, uma vez que estamos a pedir agendamento de uma reunião desde o início do verão e não tem havido disponibilidade por parte do Secretário Regional, que tem oferecido como alternativa o diálogo com o SESARAM”.

“Estamos sempre disponíveis para reunir com o SESARAM em matérias que o SESARAM tem responsabilidade, mas existem um conjunto de compromissos políticos do Governo Regional que têm de ser negociados pelo próprio Governo Regional”, frisa.

Atualmente existem cerca de 400 TSDT dependentes da Secretaria Regional da Saúde, em áreas como a Saúde Ambiental, as Análises Clínicas, a Radiologia, a Fisioterapia e outras 15 profissões nas áreas do Diagnóstico e Terapêutica, informa o Sindicato.

“Ouviremos os colegas e teremos uma postura responsável neste processo. Esperamos da parte dos decisores políticos uma postura semelhante. Se assim for, estarão criadas as condições para voltarmos ao caminho normal que deve existir entre parceiros sociais e manter a paz social que tem sido garantida ao longo dos últimos anos”, refere, por fim, Roberto Silva.

Secretaria Regional da Saúde nega rompimento de diálogo com STSS

Em resposta ao comunicado do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica, a Secretaria Regional da Saúde nega o rompimento de “qualquer diálogo social” com o STSS, “nem com nenhum outro sindicato”.

“Todo o processo de negociação e diálogo social tem sido conduzido pelo SESARAM, e devidamente acompanhado pela Secretaria Regional da Saúde”, salienta em comunicado a Secretaria, destacando que só este ano a Secretaria e o SESARAM contabilizam pelo menos seis reuniões de trabalho com o STSS.

A Secretaria Regional e o SESARAM informam ainda que “estão sempre disponíveis para dialogar com os diversos parceiros sociais, como tem sido apanágio, quer da Secretaria Regional da Saúde, quer do SESARAM”.

Recomendadas

Comprar presentes de Natal a crédito é uma boa opção? Saiba aqui

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato.

Reputação!

Num mundo que todos dizem pretender agregar, ainda que alguns o façam pela lei da força, a Union Jack apostou no afastamento! Se o Reino Unido fosse submetido a uma página de feedback do Amazon ou do Aliexpress, receberia 1 estrela, por engano ao cliente e principalmente por mentira “in House”.

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.
Comentários