Madeira vai receber dez ‘startups’ de turismo e lazer em 2018

A ilha da Madeira vai receber, no início do ano, 10 ‘startups’ internacionais da área do turismo e lazer, durante o Madeira Startup Retreat, uma iniciativa da Startup Madeira, Turismo de Portugal e da Nova School of Business and Economics, que vai decorrer de 15 de janeiro a 16 de março.

Portugal vai receber, no início do ano, 10 ‘startups’ internacionais da área do turismo e lazer, durante o Madeira Startup Retreat, uma iniciativa da Startup Madeira, Turismo de Portugal e da Nova School of Business and Economics, que vai decorrer de 15 de janeiro a 16 de março.

A concurso foram aceites 61 ‘startups’, oriundas de 25 países.

Um mês após a passagem do Web Summit por Lisboa foram selecionadas as 10 ‘startups’ que serão acolhidas, de janeiro a março na ilha da Madeira.

As ‘starups’ Cheeese (Rússia), Gym Nomad (Holanda), Life Pinner (Holanda), My Base Camp (Áustria), Peekaboo Guru (Paquistão), Room Raccoon (Holanda), Taxidio (Índia),Timescenery (Reino Unido), TripMagic (Eslovénia) e When in X (Macedónia) são as ‘startups’ finalistas.

Como suplentes, estão ainda selecionadas Get Malas (Brasil), Hotelier 101 (Turquia), Personal Travels (Itália) e Rayka (EUA).

Os resultados estão disponíveis em www.retreat.startupmadeira.eu

“Aliar um ecossistema turístico maduro a novos tecnologias foi a ideia inicial para o desenvolvimento do Madeira Startup Retreat. A realização deste programa permite às ‘startups’ viverem, ao longo de dois meses, uma experiência única num “laboratório vivo”, explica um comunicado do turismo de Portugal (TP).

Grupos hoteleiros, aeroporto, portos, empresas de transportes e de animação turística são parceiros para testes de novas funcionalidades e/ou soluções, adianta o referido comunicado do TP.

As ‘startups’ selecionadas terão ainda acesso a um programa de mentoria desenvolvido em parceria com a Nova School of Business and Economics.

Para o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, “a aposta na inovação e no empreendedorismo é um dos fatores diferenciadores da estratégia de atuação do Turismo de Portugal”.

“O apoio às ‘startups’ é fundamental para que o turismo se afirme como motor de desenvolvimento de novos projetos e ideias, geradoras de novas oportunidades de emprego. Ambicionamos, até 2027, posicionar Portugal como um país de referência na produção de bens e serviços para a atividade turística à escala mundial, cumprindo assim os objetivos a que nos propusemos quando delineámos a estratégia turística nacional”, destaca o presidente do TP.

Segundo Luís Araújo, “em 2027, queremos um Portugal líder do turismo do futuro”.

“Com este projeto, estendemos esta dinâmica à Região Autónoma da Madeira, onde o turismo tem uma importância estratégica, com o objetivo de que esta região continue a ser um destino turístico competitivo”, acrescentou o referido responsável.

Por seu turno, Carlos Soares Lopes, presidente da ‘Startup’ Madeira, refere ainda que “estão reunidas as condições para que a Madeira receba ‘startups’ na área do turismo e lazer, pois a Madeira apresenta recursos humanos qualificados, infraestruturas tecnológicas, espaços de incubação, benefícios fiscais para empresas que operam no mercado internacional e ainda recentemente foi reconhecida internacionalmente como destino insular do ano 2017”.

Tendo em conta a elevada procura, a organização do ‘Madeira Startup Retreat’ também referiu que irá acolher na fase final 10 ‘startups’, mais duas do que o inicialmente previsto, adianta o referido comunicado, acrescentando que este é mais um programa de aceleração apoiado pelo Turismo do Portugal no quadro do protocolo FIT (Fostering Innovation in Tourism) e a primeira parceria com o Governo Regional da Madeira, através da Startup Madeira.

 

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários