PremiumMadjer: O ‘rei’ deixa as areias aos 42 anos

Considerado o melhor de sempre no futebol de praia, Madjer deixa a modalidade com a conquista do terceiro campeonato do mundo. Uma carreia recheada de títulos e mais de mil golos pela seleção nacional.

João Vítor Tavares Saraiva, para o mundo do futebol de praia também conhecido por Madjer, terminou no último domingo, 1 de dezembro, a sua carreira nas areias aos 42 anos. A despedida não podia ter corrido da melhor forma, com a conquista do terceiro campeonato do mundo ao serviço da seleção nacional, derrotando na final, disputada em Assunción, capital do Paraguai, a congénere italiana por 6-4. As lágrimas do ala português ainda o jogo não havia terminado eram um pronúncio daquilo que o próprio haveria de comunicar já depois de ter erguido o troféu. “São lágrimas de despedida, uma despedida orgulhosa deste grupo e desta família. Fiz parte de um capítulo maravilhoso desta modalidade. Pertenci a grupos fantásticos, fui treinado por pessoas incríveis, que me ajudaram a crescer – não só em termos desportivos, mas humanos também. Saio do futebol de praia como um homem realizado e com vários exemplos para a minha vida. As minhas lágrimas significam um orgulho imenso em ser português em todos os momentos, e não só naqueles em que estamos ‘por cima’”, afirmou ao Canal 11.

Para trás fica uma carreira que, à semelhança de muitos jovens, começou nos relvados, com uma experiência no Estoril Praia e que mais tarde voltaria a tentar no Vitória Guimarães. Mas o destino do de Madjer estava traçado para ser nas areias, onde se distinguiu pelo seu forte remate de meia distância, pelos pontapés acrobáticos, mas também o respeito e admiração que foi ganhando por colegas de equipa e adversários à medida que ia conquistando títulos atrás de títulos. Razões que levaram a revista “France Football” no passado mês de outubro a classificar Madjer como o melhor jogador de sempre no futebol de praia. E, tal como surge na descrição feita pelos franceses, “o seu palmarés fala por ele”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Nobel da Paz para bielorrusso Ales Bialiatski e organizações russa e ucraniana

O Prémio Nobel da Paz 2022 foi hoje atribuído a Ales Bialiatski, da Bielorrússia, e às organizações de defesa dos direitos humanos Memorial, da Rússia, e Centro de Liberdades Civis, da Ucrânia, anunciou o Comité Nobel Norueguês.

TERRA, dá-lhe as boas-vindas

A Trienal levanta várias questões sobre os recursos de que dispomos e o que fazemos com eles, através de quatro tópicos: Retroactivar, Ciclos, Multiplicidade e Visionárias.

Prémio Nobel da Literatura atribuído à escritora francesa Annie Ernaux

A Academia Sueca galardoou a autora pela “coragem e acuidade clínica com que descortina as raízes, os estranhamentos e os constrangimentos coletivos da memória pessoal”.
Comentários