Magnum Capital compra Orliman e fará nova aquisição até final do ano

A Orliman, uma empresa que atua na produção e distribuição de produtos ortopédicos em Espanha foi adquirida pelo fundo Magnum Capital II. Até ao final do ano é possível uma segunda aquisição, soube o OJE Digital de fontes financeiras. A compra da Orliman foi feita à private equity Riverside e aos fundadores da empresa. A […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Orliman, uma empresa que atua na produção e distribuição de produtos ortopédicos em Espanha foi adquirida pelo fundo Magnum Capital II. Até ao final do ano é possível uma segunda aquisição, soube o OJE Digital de fontes financeiras. A compra da Orliman foi feita à private equity Riverside e aos fundadores da empresa. A participação envolveu 99% do capital, segundo fonte oficial. O valor da operação não foi revelado, mas incluiu a assunção da dívida.

Esta aquisição representa o primeiro investimento do segundo fundo da Magnum e o décimo desde a sua constituição. A entrada da Magnum na Orliman pressupõe a continuidade da atual gestão da Orliman, que continuará a ser liderada por Enric Florensa.

Com sede em Valência, uma faturação de 34 milhões de euros, em 2014, e mais de 150 colaboradores, a Orliman é uma das principais empresas europeias do setor de produtos ortopédicos, sendo líder em Espanha e terceira em França. Em Portugal, a incorporação da Magnum abre uma nova etapa na trajetória da Orliman, assente no crescimento da sua presença no exterior e a otimização das suas operações.

“Estamos convencidos de que a entrada de um grupo de investimento com a experiência e os recursos da Magnum vai permitir continuar com o nosso processo de integração e expansão global, fortalecendo a nossa empresa e a nossa marca”, afirma Enric Florensa, Conselheiro Delegado da Orliman.

Ángel Corcóstegui, socio-fundador da Magnum Capital é o novo presidente da Orliman. Enrique de Leyva, João Coelho Borges e José Antonio Marco, sócios da empresa de investimento também integram o Conselho de Administração da Orliman. Marcos Lladó Bertrand assessorou a Magnum na operação de investimento da Orliman, juntamente com Herbert Smith Freehills, EY, PwC Strategy, Deloitte, Freshfields Bruckhaus Deringer e AON.

A Magnum Capital é uma empresa de private equity fundada em 2006 por João Talone, Ex-CEO da EDP, Ángel Corcóstegui, Ex-CEO e primeiro vice-presidente do conselho de administração do Banco Santander e Enrique de Leyva, Ex-Managing Partner do Escritório da McKinsey em Espanha.

A Magnum investe em sectores de saúde, energia, serviços para a indústria, infraestruturas, geriatria e educação, em operações de buyout de empresas Ibéricas de media-grande dimensão, com o objetivo de criar valor a longo prazo desenvolvendo empresas mais fortes e sólidas. A Magnum procura alavancar os mais de 100 anos de experiência acumulada da sua equipa como gestores industriais, assessores profissionais e investidores de private equity, para gerar retornos superiores para os seus investidores, bem como para as suas empresas participadas e os seus colaboradores.

 

Vítor Norinha/OJE

Recomendadas

AdC acusa Cabelte, Quintas e Quintas e Solidal de cartel em contratação pública lançada pela REN

AdC acusa as empresas fornecedoras de cabos de Muito Alta Tensão de acordo anticoncorrencial em procedimentos de contratação pública, num concurso lançado pela REN.

Ibersol com lucros de 14,6 milhões de euros até setembro

A Ibersol registou nos primeiros nove meses deste ano lucros consolidados de 14,6 milhões de euros, que comparam com prejuízos de mais de 20 milhões de euros no período homólogo.

Greve na CP e IP suprimiu 701 comboios até às 18h00

A greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP) levou à supressão de 701 comboios da CP entre as 00h00 e as 18h00.