Maior confiança em Portugal leva juros da dívida para novos mínimos

A subida do ‘rating’ de Portugal pela Standard and Poor’s e a compra de ativos pelo Banco Central Europeu são apontados como as principais razões para a descida nos últimos meses. O BCE deverá ter causado uma queda de 140 pontos base nas ‘yields’ nacionais.

Os juros da dívida pública estão desde o verão a beneficiar do reforço da confiança dos investidores no país e voltaram esta quinta-feira a cair. No dia em que a Moody’s classificou Portugal como o segundo país que mais beneficiou da política acomodatícia do Banco Central Europeu (BCE) e em que o Fundo Monetário Internacional (FMI) se mostrou mais otimista sobre o crescimento e redução do défice nacionais, as yields das obrigações benchmark tocaram mínimos de 32 meses.

Os juros das Obrigações do Tesouro português a 10 anos tocaram esta quinta-feira os 1,80%, um valor que não tocavam desde 15 de abril de 2015. O valor compara os 3,7% com que as yields de Portugal começaram o ano e com o máximo desde ano (4,247%) tocados em fevereiro.

Segundo a agência de notação financeira, o programa de compra de ativos do BCE reduziu as taxas da obrigações soberanas da zona euro a dez anos entre 50 e 150 pontos base. Portugal e a Irlanda foram os principais beneficiados pela política não convencional da instituição liderada por Mario Draghi, implementada na sequência da crise financeira.

No caso de Portugal, o impacto foi de cerca de 140 pontos base, ao passo que na Irlanda se aproxima dos 150 pontos base. A agência de rating calcula que, até o final deste ano, o total de compras ao abrigo dos vários programas atinja 2,3 biliões de euros – cerca de um quinto do PIB da área do euro.

Relacionadas

Portugal foi o segundo país mais beneficiado com as compras de dívida do BCE

Estudo da Moody’s indica que aquisição de ativos do banco central reduziu as taxa de juros da zona euro entre 50 e 150 pontos base.

Bruxelas reconhece “ímpeto” de Portugal mas avisa que ajustamento estrutural “está em risco”

Para a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu,”as atuais condições macroeconómicas e financeiras favoráveis criam uma oportunidade para corrigir os persistentes desequilíbrios macroeconómicos portugueses”.

Ajuda externa: FMI alinha previsões com Governo mas pede mais reformas e redução da dívida

“O forte crescimento, juntamente com os esforços continuados para conter a despesa, devem permitir que as metas do défice orçamental de 2017 e 2018 sejam alcançadas confortavelmente”, lê-se no comunicado de conclusão de missão.
Recomendadas

Wall Street com mais um dia para esquecer

A perspectiva de manutenção das taxas de juro em alta pelos próximos (muitos) meses não dá tréguas aos investidores do mercado de capitais, que continuam a assistir ao afundamentos dos principais índices da praça norte-americana.

Bitcoin alcança valor mais alto em uma semana e ultrapassa os 20 mil dólares

A criptomoeda subiu 5% esta terça-feira, acompanhada pela Ethereum, que subiu 4%, num dia de subidas generalizadas entre as criptomoedas.

Bolsa de Lisboa fecha em terreno positivo com Europa no ‘vermelho’

As cotadas da família EDP foram as únicas a terminar o dia em terreno negativo, com a EDP a perder 1,28%, nos 4,55 euros, e a EDP Renováveis a cair 0,92% para os 21,43 euros.
Comentários