Maioria dos condutores interessados em comprar carros novos preferem híbridos ou elétricos

A autonomia da bateria, os custos por quilómetro e o impacto ambiental são apontadas como as principais vantagens.

A maioria dos condutores (62%) interessados em comprar carros novos preferem híbridos ou elétricos, revela um estudo do Standvirtual com a Marketfest.

Assim, há uma maior predisposição dos condutores para comprarem um carro novo híbrido plug-in (35%) ou elétrico (27%), do que a gasóleo (19%) ou a gasolina (17%). A autonomia da bateria (25%), os custos por quilómetro (24%) e o impacto ambiental (23%) são apontadas como as principais vantagens de adquirir um veículo elétrico ou híbrido plug-in.

“A crescente consciencialização ambiental dos consumidores e a crise dos combustíveis levou a um aumento substancial da procura por veículos eletrificados, uma tendência que traz diversas vantagens para os futuros compradores desta tipologia”, refere o diretor geral da plataforma online de comércio de automóveis, Nuno Castel-Branco, em comunicado.

A possibilidade de alugar baterias é destacada como uma mais-valia para 49% dos condutores questionados, sendo que, ainda assim, a maioria não considera esta alternativa um benefício (51%). Ademais, 96% dos compradores reconhecem que a oferta de um carregador doméstico é uma vantagem para quem compra este tipo de veículos.

Recomendadas

Os desafios e constrangimentos de Christine Ourmières-Widener no primeiro ano

Christine Ourmières-Widener cumpre este sábado um ano como presidente executiva da TAP, um período marcado pelos desafios e constrangimentos da execução do plano de reestruturação, um compromisso que assumiu no primeiro dia.

PremiumAuditoria ao Novobanco há meses à espera do Parlamento

A terceira auditoria da Deloitte ao Novobanco foi entregue aos deputados em abril, mantendo-se como confidencial de forma provisória. Desde então, o tema não voltou a ser discutido.

Operação da TAP em níveis de 2019 mas conflitos laborais ameaçam verão

As dificuldades nas negociações entre a TAP e os sindicatos, numa altura em que o tráfego está próximo de níveis de 2019, ameaçam perturbar a operação no verão, com as estruturas a darem indicações de que poderão convocar greves.
Comentários