PremiumMaioria dos devedores têm dívidas com crédito pessoal

Estudo traça o perfil de quem pede o processo especial para acordo de pagamento (PEAP) como homem casado em regime de comunhão de bens sem dependentes. Mecanismo ainda é pouco utilizado face às insolvências.

Receber ofertas de cartão de crédito da loja

Homem, casado, empregado, com um salário médio de 914 euros, com dívidas relacionadas com crédito pessoal e cinco credores. É este o retrato do devedor particular português, segundo um estudo da Nova School of Law, que traçou o perfil de quem entra no processo especial para acordo de pagamento (PEAP).

O perfil do devedor que não é titular de empresas e que, apesar de estar a passar por graves dificuldades económicas, ainda não está em situação de insolvência insere-se no estudo “Direito da Insolvência em Portugal: uma análise multidisciplinar”, que se debruça sobre as causas e os efeitos associados à elevada duração dos processos de insolvência em Portugal e à fraca utilização dos mecanismos de pré-insolvência.

Ao Jornal Económico, João Pedro Pinto-Ferreira, diretor executivo do projeto, explica que 70% dos devedores do PEAP, cujo objetivo passa por um acordo com a maioria dos credores que permita a recuperação da situação económica do devedor, são homens e apenas 30% são mulheres.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários