Maioria dos diretores de tecnologia nacionais querem implementar novas formas de cortar custos energéticos

Metade (54%) dos decisores inquiridos referem que as impressoras a jato de tinta os ajudarão a atingir o objetivo de redução de despesas, de acordo com os dados de um estudo da tecnológica japonesa Epson divulgado esta quinta-feira.

Face ao aumento dos preços da energia, a maioria (72%) dos decisores portugueses na área das Tecnologias da Informação (TI) têm como objetivo implementar novas formas de baixar os custos com a energia, ao passo que pouco mais de metade (54%) garante querer reduzir os custos energéticos, de acordo com os dados recolhidos por um estudo da tecnológica japonesa Epson.

As conclusões foram divulgados esta quinta-feira pela empresa conhecida pelas suas impressoras, em comunicado de imprensa. O estudo contou com a participação de mais de 5.500 decisores, utilizadores e influenciadores de TI por todo o mundo, inclusive em Portugal.

São 54% os responsáveis que referem que as impressoras a jato de tinta os ajudarão a atingir o objetivo de redução de custos, enquanto que 69% sublinha que quer compreender melhor a poupança de energia que poderia existir com a mudança do tipo de impressoras em uso.

Entre os portugueses inquiridos, 64% dizem estar preocupados com o gasto de energia por parte das impressoras, associado ao mesmo aumento dos preços no sector. São ainda 71% entende que a gestão e controlo tecnológico da frota de periféricos é uma parte importante e específica da política ambiental e de sustentabilidade da sua organização, pelo que a mudança da tecnologia poderia ser um passo em frente significativo.

Os dados recolhidos indicam ainda que quase todos (91%) os inquiridos a nível europeu veem com bons olhos a realização de uma revisão dos custos de energia em toda a sua organização e 86% destacam a importância de fazer uma gestão entre os custos e a necessidade de cumprir os objetivos ambientais definidos.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários