Maioria dos jogadores de casino online são homens com 30 anos

Dados disponibilizados pela Bet.pt revelam que a maioria dos jogadores online que procura jogos de casino é oriunda de grandes centros urbanos, com destaque para as cidades do Porto e Lisboa como principais polos de origem.

O perfil do jogador português de casino online foi traçado pela Bet.pt, que refere que a maioria (70%) são homens, com uma média de idades de 30 anos e com especial incidência para a região Norte.

Apostas desportivas, blackjack e roleta entre as “modalidades” preferidas, segundo concluiu a empresa de apostas desportivas e casino online, tendo por base uma análise dos perfis de utilizadores.

Segundo Pedro Miguel Garcia, responsável pelo Marketing da Bet.pt, apesar de o público masculino representar praticamente dois terços dos jogadores online explica que “com o passar do tempo tem-se vindo a verificar uma ligeira tendência para o aumento do público feminino”.

“Na nossa plataforma de casino online foi interessante verificar que nos últimos meses tivemos um aumento de jogadoras. Atualmente diria que cerca de 30% dos perfis ativos nesta plataforma são mulheres, que procuram muito o nosso casino e as nossas slots machines”, acrescenta Pedro Miguel Garcia, em comunicado.

Outros dados disponibilizados pela Bet.pt revelam que a maioria dos jogadores online que procura jogos de casino é oriunda de grandes centros urbanos, com destaque para as cidades do Porto e Lisboa como principais polos de origem.

Por fim, o tipo de jogo preferido foi também analisado pela empresa. De acordo com Pedro Miguel Garcia, naquela plataforma observa-se “claramente que os jogadores que gostam de apostas desportivas e que normalmente apostam neste tipo de eventos, são aqueles que optam pelos chamados jogos de mesa, como roleta ou blackjack. “Já os restantes optam por jogos de casino mais tradicionais como as clássicas slots machines”, diz.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários