“Maioria dos membros” da cimeira da Ásia-Pacífico condena guerra na Ucrânia

O G20 considerou igualmente que a “utilização ou ameaça de utilização de armas nucleares é inaceitável”, segundo a agência francesa AFP.

Dirigentes da região da Ásia-Pacífico afirmaram este sábado no comunicado final que saiu da cimeira da Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC) que “a maioria dos membros” condena a guerra na Ucrânia.

“A maioria dos membros condenou veementemente a guerra na Ucrânia e salientou que esta causou imenso sofrimento humano e exacerbou as fragilidades existentes na economia global”, declararam os líderes da APEC, fazendo eco à linguagem utilizada na declaração final da cimeira do G20, há poucos dias.

A maioria das 20 economias mais desenvolvidas do mundo “condenou veementemente a guerra na Ucrânia” e salientou as devastadoras consequências humanas e económicas globais do conflito, segundo a declaração conjunta divulgada no final da cimeira de Bali, que se realizou na ilha indonésia entre terça e quarta-feira.

Durante a cimeira houve “outras posições” sobre a situação na Ucrânia, admitiram as 20 maiores economias do mundo na declaração, de acordo com a agência espanhola EFE.

O G20 considerou igualmente que a “utilização ou ameaça de utilização de armas nucleares é inaceitável”, segundo a agência francesa AFP.

“A resolução pacífica dos conflitos e os esforços para enfrentar as crises, juntamente com a diplomacia e o diálogo, são vitais”, lê-se na declaração.

No comunicado conjunto, o G20 disse ser necessário “defender o direito internacional” e “salvaguardar a paz e a estabilidade”, incluindo os princípios humanitários e a proteção de civis e infraestruturas em conflitos armados.

A Rússia, que é um dos membros do G20, juntamente com Estados Unidos, China e União Europeia, tem sido acusada pela Ucrânia de atacar civis e infraestruturas vitais de energia.

O texto, segundo a EFE, foi aprovado após árduas negociações, principalmente devido à relutância da Rússia.

Já na cimeira da Ásia Oriental, realizada no Camboja, no domingo, a Rússia impediu a aprovação de uma declaração final por discordar dos termos em que era referida a guerra na Ucrânia.

Recomendadas

Polícia alemã diz ter impedido ataque armado da extrema-direita ao parlamento

Os procuradores disseram, em comunicado, que os detidos são suspeitos “de terem feito preparativos concretos para entrarem violentamente, com um pequeno grupo armado, no Bundestag”, a câmara baixa do parlamento alemão.

Vladimir Putin e Will Smith foram os mais “populares” no Google este ano

As tendências hoje divulgadas pela Google em Portugal registam as palavras que mais cresceram nas pesquisas de Internet, face ao ano anterior, e colocam em terceiro lugar nesta categoria (nomes internacionais) o ator Johnny Depp, cujo divórcio da atriz Amber Heard, sob acusações mútuas de agressões, teve destaque nos ‘media’.

Eutanásia: o referendo da discórdia. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.
Comentários