Maioria dos portugueses defende que NATO deve continuar a dar ajuda militar à Ucrânia

Apenas uma minoria acredita que a guerra terá um desfecho breve, segundo uma sondagem da Aximage para o “JN”, “DN” e “TSF”.

Yehor Milohrodskyi/Unsplash

Uma sondagem da Aximage para o “JN”, “DN” e “TSF” revelou que a maioria dos portugueses (67%) defende que a NATO deve continuar a dar ajuda militar à Ucrânia.

Quanto ao tempo que a guerra vai durar 45% acredita vai prolongar-se no tempo ou escalar para um conflito direto entre Rússia e NATO (21%). Apenas 15% defende que o desfecho será breve, 9% espera que haja acordo entre as partes no conflito e 7% dos inquiridos teme que termine numa guerra nuclear.

Relativamente à entrega de armas são mais as mulheres (23%) do que os homens (15%) que manifestam discordância. As mulheres também são mais pessimistas do que os homens e 33% das mulheres prevê uma escalada na amplitude e nos efeitos da guerra. No que toca às faixas etárias o apoio aumenta à medida que a idade avança (há uma diferença de 15 pontos entre os mais novos e os mais velhos).

 

Recomendadas

Ucrânia: Sistema energético estabilizado após dias sem luz devido a ataques russos

A invasão foi condenada pela comunidade internacional, que respondeu, com destaque para a União Europeia e os Estados Unidos, com ajuda militar, humanitária e económica a Kiev e a imposição de sanções económicas e políticas sem precedentes a Moscovo.

Ucrânia: Rússia anuncia morte de “uma centena de mercenários estrangeiros” em Donetsk

“Até 100 mercenários estrangeiros e seis veículos blindados foram destruídos na área de Chasiv Yar em resultado de um ataque com armas de alta precisão das forças aeroespaciais russas nos locais temporários de treino dos chamados milicianos da Legião Estrangeira”, declarou o porta-voz do exército russo, general Igor Konashenkov.

União Europeia paga transporte de cereais ucranianos para países vulneráveis

A iniciativa pretende fornecer cereais gratuitos a pelo menos cinco milhões de pessoas, em países como o Sudão, o Iémen, o Quénia e a Nigéria até ao final da primavera de 2023.
Comentários