Maioria dos portugueses não consegue desligar do trabalho durante as férias, revela estudo

Inquérito revela dificuldades dos trabalhadores portugueses em desligar por completo das funções profissionais em tempo de férias. Na geração Z, 75% dos trabalhadores dizem estar ativamente ligados ao trabalho durante as férias.

A maioria dos profissionais portugueses afirmam que têm dificuldade em desligar do trabalho durante o período das férias, de acordo com o inquérito do portal de emprego Jobatus.

Assim, 53% dos profissionais inquiridos (quase 266 mil respostas com trabalhadores entre os 22 e os 64 anos) assumiram que não conseguem desligar o tempo todo e deste universo, 51% admitiram mesmo que mantiveram algum tipo de contacto com patrões ou colegas de trabalho pelo menos uma vez por dia. Já 22% dos inquiridos disseram que estabeleceram esse tipos de contactos profissionais mais de duas vezes por dia em pleno período de férias.

Mas quais são as razões para que os trabalhadores não consigam desligar tudo neste período prolongado de descanso? Revela este inquérito que 42% dos funcionários justificam essa decisão com o facto de não quererem ser deixados para trás; 18% acredita que nenhuma outra pessoa conseguiria fazer o seu trabalho e 9% porque não queria perder qualquer tipo de negócio ou oportunidade para manter-se em contacto com um cliente.

Outro aspeto passa pela forma como a Geração Z (nasceram entre o fim da década de 1990 e 2010) se relaciona com a ligação ao meio profissional em férias: na geração Z, 75% dos trabalhadores dizem estar ativamente ligados ao trabalho durante as férias.

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Respostas Rápidas: como pode aceder ao complemento solidário para idosos ou outras pensões?

A propósito do Dia Internacional do Idoso e dado o envelhecimento cada vez maior da sociedade portuguesa, importa compreender como podem os contribuintes aceder a vários apoios disponibilizados pela Segurança Social.
Comentários