Mais 21% de sinistros sem seguro automóvel válido no primeiro semestre, diz ASF

As indemnizações pagas por este órgão, nos primeiros seis meses de 2022, totalizaram cerca de seis milhões de euros, montante que representa uma variação homóloga de mais 27%.

No primeiro semestre de 2022, o Fundo de Garantia Automóvel (FGA) registou 1.791 novos processos de sinistros, dos quais 1.715 em que o responsável não possuía seguro de responsabilidade civil automóvel válido e 76 nos quais o responsável não foi identificado. Isto representa um aumento de 21% relativamente ao exercício anterior.

As indemnizações pagas por este órgão, nos primeiros seis meses de 2022, totalizaram cerca de seis milhões de euros [5.967.178 euros], montante que representa uma variação homóloga de mais 27%.

O Fundo de Garantia Automóvel é um fundo público autónomo, gerido pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, destinado a satisfazer indemnizações devidas em consequência de desastres de viação “quando o responsável pelo mesmo seja desconhecido ou sendo conhecido, não tenha cumprido a obrigação de celebrar o seguro de responsabilidade civil automóvel”.

Os processos relativos a danos materiais representam 84,2% do universo, com 1.508 ocorrências, enquanto os casos registados de lesão corporal foram 278 (15,5% do universo). Neste período foram, ainda, participados cinco acidentes mortais, menos seis do que em 2021.

A reparação dos danos materiais ascendeu a cerca de 1,5 milhões de euros [1.496.571 euros], tendo decrescido 17% relativamente a 2021.

O relatório estatístico relativo ao primeiro semestre deste ano revela que  foram pagos  quatro milhões [4.047.492 euros] em indeminizações por lesão corporal, tendo subido 57% face a 2021. Estas indemnizações incluem  danos não patrimoniais, danos patrimoniais futuros, despesas médicas, medicamentos, transportes e outros danos emergentes.

As indemnizações por morte somaram 396.115 euros, mas 32% que no período homólogo.

O FGA que paga as indemnizações tem depois direito a pedir o reembolso aos responsáveis civis incumpridores da obrigação de celebrar o seguro de responsabilidade civil automóvel. Nesse âmbito, em termos de reembolsos dos responsáveis foram recuperados cerca de dois milhões [2.145.097 euros].

Recomendadas

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.

Bankinter é mecenas da exposição “Faraós Superstars” na Fundação Gulbenkian

A exposição “Faraós Superstars” pretende fazer uma reflexão sobre a popularidade dos faraós, reunindo 250 peças de importantes coleções europeias, provenientes de diferentes períodos históricos, desde antiguidades egípcias, passando pelas iluminuras medievais e pintura clássica até à música pop.

PremiumMapfre “atentíssima” à Fidelidade ou a seguradoras em crise

Há seguradoras com debilidades em Portugal, pressionadas pelo ramo automóvel, que estão na mira da Mapfre. O grupo admite crescer através da aquisição destas entidades, mas também não descarta olhar para a Fidelidade caso a Fosun decida vender.
Comentários