Mais 382,8 milhões de euros da venda dos CTT para amortizar dívida pública

O Ministério das Finanças destinou mais 382,8 milhões de euros da receita da privatização dos CTT – Correios de Portugal para amortização de dívida pública, segundo um despacho hoje publicado em Diário da República. A operação de privatização de 100% do capital dos CTT gerou uma receita total superior a 902,3 milhões de euros, dos […]

O Ministério das Finanças destinou mais 382,8 milhões de euros da receita da privatização dos CTT – Correios de Portugal para amortização de dívida pública, segundo um despacho hoje publicado em Diário da República.

A operação de privatização de 100% do capital dos CTT gerou uma receita total superior a 902,3 milhões de euros, dos quais 560,4 milhões de euros na primeira fase e 341,9 milhões de euros na segunda fase.

No final do ano passado, o executivo decidiu que as receitas da primeira fase iam para amortizar dívida pública (466,9 milhões de euros) e para a Parpública amortizar divida do Setor Empresarial do Estado (52,6 milhões de euros).

Hoje, por despacho da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, o Governo decide atribuir uma receita de “90.917.157,30 euros, deduzida de 52.633.098,36 euros já afetos anteriormente, no total de 38.284.058,94 euros, para a Parpública” e “a parte remanescente, no montante de 811.464.792,46 euros, deduzida de 466.897.885,24 euros já afetos anteriormente, no total de 344.566.907,22 euros para amortização da dívida pública”.

O diploma exige ainda à Parpública o registo das correspondentes contrapartidas da operação realizada, definindo que podem ser definidas “outras formas de compensação” por parte do Estado.

OJE/Lusa

Recomendadas

Fitch melhora perspetiva do rating do BCP

A mudança de perspectiva para o rating do BCP reflete, em parte, uma maior clareza em torno do provisionamento necessário para cobrir os riscos legais do Bank Millennium com empréstimos hipotecários denominados em francos suíços, na Polónia.

Apenas 18,5% das empresas em Portugal pagam a fornecedores dentro do prazo

Em Espanha, o principal parceiro comercial de Portugal, 44,4% das empresas cumprem estes prazos.

Portugal corre risco de “desvantagem competitiva” na Europa sem investimento público no 5G, alerta CEO da Ericsson

Andrés Vicente, CEO da Ericsson Iberia, analisou as verbas destinadas ao investimento no 5G (que constam nos Planos de Recuperação e Resiliência) e considera que Portugal corre o risco de partir atrás na transição digital europeia. “Tal não será suficiente para aproveitar todo o potencial do 5G e pode abrir uma desvantagem competitiva com outros países”, disse ao JE.