Mais 50 vagas de emprego para novo centro tecnológico no Porto (com áudio)

O espaço vai alojar equipas tecnológicas altamente qualificadas e especializadas, que irão dar apoio a clientes nacionais da zona centro e norte do país e responder aos projetos internacionais da empresa, refere a Boost IT.

A Boost IT abriu um nearshore centre e hub tecnológico no Porto para dar resposta a atuais e futuros projetos nacionais e internacionais. A expetativa é que a nova unidade tenham 50 pessoas até final do ano.  Em 2021 a Boost IT teve uma faturação superior a 13 milhões de euros, mais 77,4% comparado com o ano anterior. Para 2022 a expetativa é que a faturação atinja os 17,5 milhões de euros.

“O espaço irá alojar equipas tecnológicas altamente qualificadas e especializadas, que irão dar apoio a clientes nacionais da zona centro e norte do país e responder aos projetos internacionais da empresa. Com inúmeros projetos nacionais e internacionais ligados ao setor da Transformação Digital, Software Development, e-Commerce e Cloud & Analytics, a Boost IT está atualmente a contratar, quer aproveitar o talento da região e espera fechar o ano com 50 pessoas nesta nova unidade do Porto”, explica a empresa no anúncio da abertura destas novas unidades.

A Boost IT tem também a expetativa que chegar aos 400 colaboradores, em 2022, na área da engenharia.

“A decisão estratégia de investir no Porto é crucial para os níveis de qualidade e de eficiência que garantimos, e para o tipo de parceria de grande proximidade que fazemos questão de manter com os nossos clientes. Portugal é um país pequeno. O trabalho remoto remove fronteiras e distâncias, mas ainda assim o nosso modelo de trabalho passa pelo próximo e constante acompanhamento dos nossos clientes. Este centro vai permitir-nos oferecer um serviço de ainda maior qualidade, e explorar mais facilmente novas oportunidades de negócio nacionais e internacionais”, disse o business diretor do novo nearshore center, Tiago Soares.

A empresa pretende também uma ligação com o mundo académico na zona centro e norte, bem como estabelecer parcerias e sinergias com as universidades e polos tecnológicos, e ter ainda um “papel ativo” junto das comunidades tecnológicas e na organização de MeetUps.

“A ligação entre o mundo empresarial e académico é muito importante. Promove a inovação, a colaboração, o talento qualificado, a criação de projetos disruptivos, traz vantagens inegáveis para ambas as partes. Queremos replicar no Porto a estrutura que temos em Lisboa. A nossa estratégia passa por continuar a apostar em Portugal, e no enorme talento que existe no nosso país, para apoiarmos os nossos clientes portugueses e internacionais. Em 2022 queremos continuar a expandir a marca BOOST IT, os nossos negócios, as nossas equipas e diversificar a nossa gama de serviços no mercado nacional e internacional. Queremos ser uma referência para os nossos clientes e para os nossos colaboradores, queremos ter os melhores projetos, acesso às tecnologias mais recentes, e ser capazes de proporcionar um projeto nacional ou internacional de carreira a longo prazo”, referiu o CEO da BOOST IT, Bruno Ribeiro.

Recomendadas

Novos radares de Lisboa entram em funcionamento a 1 de junho

A Câmara de Lisboa revela que, além da sinalização de trânsito que decorre do Regulamento de Sinalização de Trânsito (sinal H43), foram instalados “painéis informativos” em todas as localizações dos novos radares.

Multivision quer contratar 300 colaboradores até ao final do ano na área das TI

Com a expectativa de dar continuidade ao processo de crescimento, no ano em que celebra 15 anos de existência, a Multivision aponta como principal objetivo atingir os 15 milhões de euros em receitas, pressupondo um crescimento entre 40% a 50%. Para tal, a tecnológica quer duplicar o número de colaboradores atuais até 2025.

Dia Mundial das Telecomunicações: consumidores já podem pedir nova Tarifa Social da internet

A Tarifa Social da Internet – TSI está disponível para famílias com baixos rendimentos ou necessidades sociais especiais e tem um custo de 5€ + IVA (cobrado até ao máximo de 21,45€) que pode ser pago em mensalidades (6, 12 ou 24 meses) ou integralmente. Neste tarifário os consumidores usufruem de 15GB por mês, a uma velocidade mínima de 12 Mbps, e não inclui televisão e telefone.
Comentários