Mais 69.522 pessoas foram vacinadas com dose de reforço em 24 horas

A dose de reforço da vacina contra a covid-19 já foi administrada a quase 1,8 milhões de pessoas, 69.522 delas nas últimas 24 horas, segundo dados desta quinta-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim diário da DGS relativo à vacinação, já foi administrado o reforço da imunização contra o coronavírus SARS-Cov-2 a 1.792.187 pessoas.

Em paralelo, ascendem a 8.610.132 as pessoas que têm agora a “vacinação primária completa” (duas doses de vacina, na maioria dos casos), mais 3.017 do que na quarta-feira.

Receberam a dose de reforço 540.291 idosos com 80 ou mais anos, 605.116 pessoas da faixa entre os 70 e 79 anos e mais 300.171 do grupo entre os 65 e os 69 anos.

Em relação à vacina da gripe, os dados de hoje da DGS indicam que 11.067 pessoas foram vacinadas nas últimas 24 horas, o que faz com que estejam já imunizadas 2.155.138.

A covid-19 provocou pelo menos 5.278.777 mortes em todo o mundo, entre mais de 267,22 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.610 pessoas e foram contabilizados 1.181.294 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em 57 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Recomendadas

Sysmex investe no aumento da presença no mercado português

O grupo de origem nipónico especializado em diagnósticos e serviços de hematologia, quer aproveitar a retração dos investimentos de outras empresas para cimentar a sua posição no mercado nacional.

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.
Comentários