Mais atentados podem afetar recuperação europeia, adverte BCE

O vice-presidente do BCE, Vítor Constâncio, afirmou que “não se pode ignorar esse risco”.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio, advertiu que “mais episódios de terrorismo na Europa poderão afetar a confiança, incrementaram a aversão ao risco em ativos europeus e isto poderá afetar a recuperação económica da zona euro”.

Na apresentação do relatório semestral de estabilidade financeira, no qual a entidade monetária analisa os principais riscos para o sistema, Constâncio afirmou que “não podemos ignorar esse risco” e que atualmente os riscos para a economia real está estão em baixo.

“O que ocorreu afetará particularmente o consumo de forma temporária nos países mais afetados pelos atentados, mas o que temos vistos noutros casos, como no atentado ao “Charlie Hebdo”, é que o consumo foi reduzido mas recuperou nos meses seguintes”, afirmou Constâncio.

OJE

Recomendadas

Wall Street arranca semana em baixa

Assim, na abertura de Wall Street, o Dow Jones perde 0,62% para 34.217,92 pontos, o S&P 500 cede 0,69% para 34.217,92 pontos e o tecnológico Nasdaq recua 0,54% para 11.399,31 pontos. 

PSI cresce 2,5% em novembro e reforça valorização anual para 5,3%

O ranking mensal de aumento das cotações corresponde à Galp (14,7%), à Semapa (11,3%), ao BCP (5,7%), à EDP Renováveis (3,5%), à Greenvolt (3,2%), à EDP (2,1%), aos CTT (1,8%), à Mota-Engil (1,5%), à Jerónimo Martins (1%) e à Navigator (0,2%). 

Maxyield lembra que método contabilístico da Galp diminuiu a subida dos lucros numa altura de “windfall taxes”

O Clube dos Pequenos Acionistas entende que “os próximos relatórios de Governo Societário da Galp poderão produzir indícios sobre as razões da renúncia do CEO Andy Brown e papel do acionista Estado através da Parpública que detém 7,5% do capital, face às considerações públicas daquele sobre o impacto da windfall na companhia e na evolução do sector no país”.