Mais de 130 feridos e 1.385 detidos nos protestos dos “coletes amarelos” em França

Mais de 130 pessoas ficaram feridas e 1.385 foram detidas durante os protestos do movimento dos “coletes amarelos”, anunciou hoje o ministro do Interior francês, Christophe Castaner. Os protestos dos “coletes amarelos” reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções.

Mais de 130 pessoas ficaram feridas e 1.385 foram detidas durante os protestos do movimento dos “coletes amarelos”, anunciou hoje o ministro do Interior francês, Christophe Castaner.

Os protestos dos “coletes amarelos” reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções, de acordo com o governante.

O ministro do Interior adiantou que 135 pessoas ficaram feridas nos protestos, incluindo 17 polícias.

“Há 1.385 detenções, à hora que vos falo, e esse número vai aumentar. Havia 975 pessoas identificadas e esse número vai aumentar”, declarou o ministro.

O número de detenções tem como referência as 18:00 locais (17:00 em Lisboa) prevendo-se que possa aumentar devido aos distúrbios que continuam a assolar a capital francesa, bem como outras cidades, de acordo com Castaner, que falou aos media junto do primeiro-ministro, Éduouard Philippe, que saudou a ação da polícia.

“As forças de ordem fizeram com que se respeitasse a lei”, sublinhou Philippe, acrescentando que agora é o momento para o diálogo, que ele próprio iniciou hoje com os “coletes amarelos” e que “deve continuar”.

Em Paris, até ao início da tarde, tinham sido identificadas 651 pessoas e 534 estavam sob custódia.

O Governo tinha indicado antes que, a meio do dia, estavam a manifestar-se cerca de 31.000 pessoas em toda a França, das quais 8.000 em Paris.

No total foram mobilizados para todo o território francês 89.000 membros das forças da ordem, 8.000 dos quais para Paris.

Veículos blindados da polícia militarizada foram excecionalmente mobilizados para a capital francesa e circularam para dissuadir os manifestantes ou destruir barricadas.

Os confrontos no centro de Paris já duram há várias horas, com a polícia a utilizar gás lacrimogéneo e canhões de água. Várias montras de lojas já foram partidas e registou-se um ataque a uma galeria comercial.

Recomendadas

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.

GP da China de Fórmula 1 de 2023 cancelado devido à covid-19

Numa nota publicada no sítio oficial na internet do campeonato, a Fórmula 1 anunciou que, “após um diálogo com o promotor [local] e as autoridades”, o GP da China de 2023 “não se realizará devido a dificuldades criadas pela situação da covid-19”.

Espanha avisa parceiros e Bruxelas de que cartas armadilhadas podem estar ligadas à Ucrânia

Numa carta enviada aos Estados-membros da União Europeia (UE) e a Bruxelas, Fernando Grande-Marlaska avisa que as seis cartas armadilhadas endereçadas ao primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, às embaixadas da Ucrânia e dos Estados Unidos, entre outras entidades, “podem estar relacionadas com a invasão da Ucrânia pela Rússia”.
Comentários