Mais de 30 instituições participam no capital social do Banco Montepio

O projeto da Instituição Financeira da Economia Social foi subscrito por Carlos Tavares quando iniciou o mandato de presidente do Banco Montepio, em março de 2018. Para o concretizar, Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista, dona do banco, anunciou a abertura do seu capital a 50 instituições particulares de solidariedade social.

Cristina Bernardo

Na última sexta-feira de 2018, foi oficialmente formalizado o início do projeto da Instituição Financeira da Economia Social, com a entrada de mais de 30 instituições particulares de solidariedade social (IPSS) a participarem no capital da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG).  A Santa Casa da Misericórdia, que admitiu a entrada no capital do banco ate 10% do total, é apenas uma.

No anúncio oficial do projeto, no dia 28 de junho, o presidente da Associação Mutualista, o recém-eleito Tomás Correia, dona da CEMG, admitiu a participação de 50 IPSS no capital do Banco Montepio. Ainda que abrangente em número, seria simbólica no valor, porque era “mais valiosa a participação emocional no projeto”.

Para participarem no capital da CEMG, a IPSS terão, naturalmente, de adquirir ações do banco à Associação Mutualista, recentemente reeleito, e que também é dona do banco. No entanto, de acordo com o regime jurídico das caixas económicas (decreto-lei nº190/2015), a Mutualista manter-se-á oficialmente como a instituição titular da CEMG.

A participação das 50 IPSS no capital da CMEG está para breve, em data próxima do início de 2019, sabe o Jornal Económico.

A abertura do capital do Banco Montepio às IPSS vem, de resto, prevista na Carta de Missão dos órgãos sociais do banco e cujo presidente, Carlos Tavares, subscreveu no início do seu mandato, no passado dia 21 de março de 2018. Na Carta, que o Jornal Económico consultou, lê-se que “num quadro de maior exigência regulamentar e concorrencial, a CEMG mantém-se vinculada aos valores fundamentais da sua fundação, em 1844, nomeadamente quanto ao importante papel que desempenha no contexto da economia social, de raiz mutualista”.

Atualmente, para além da Associação Mutualista, são 32 as instituições que participam no capital social do Banco Montepio, apurou o Jornal Económico.

 

Relacionadas

Santa Casa entra no capital do Montepio

Investimento da SCML no banco Montepio provocou muita polémica no início deste ano, sobretudo perante as informações de que a instituição poderia entrar com 200 milhões de euros em troca de uma participação de 10%.

Montepio Geral vende a carteira de malparado ‘Atlas’ no valor de 239 milhões de euros

A concretização desta operação, que englobou uma carteira de cerca de 10 mil contratos, materializa a estratégia da Caixa Económica Montepio Geral de contínua redução de ativos não produtivos.

Associados do Montepio aprovam plano de ação e orçamento para 2019

Os associados da Associação Mutualista Montepio Geral aprovaram esta quinta-feira à noite o plano de ação e orçamento para 2019 com mais de 90% dos votos, na primeira assembleia-geral depois das eleições em que Tomás Correia foi reeleito presidente.
Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.
Comentários