Mais de 30% dos empresários considera que semana de 4 dias só beneficia trabalhadores

Mais de um terço dos empresários considera que a semana de quatro dias apenas será benéfica para os trabalhadores, enquanto cerca de um terço acredita que não traz benefícios a qualquer das partes, segundo um estudo da AEP, hoje divulgado.

Mais de um terço dos empresários considera que a semana de quatro dias apenas será benéfica para os trabalhadores, enquanto cerca de um terço acredita que não traz benefícios a qualquer das partes, segundo um estudo da AEP, hoje divulgado.

“É muito claro o sentido de opinião dos empresários quanto ao segmento que terá mais benefícios com a implementação da semana dos quatro dias, considerando que serão seguramente os trabalhadores e não as empresas”, concluiu a Associação Empresarial de Portugal (AEP), com base num inquérito levado a cabo este mês e que contou com as respostas de 1.130 empresas de diversos setores de atividade.

A análise concluiu que “cerca de um terço dos empresários considera que a implementação da semana dos quatro dias ‘Não será benéfica para nenhuma das partes'”, enquanto “mais de um terço dos respondentes considera que ‘Apenas é benéfica para os trabalhadores'”.

A última proporção sobe para cerca de 50% no caso das respostas dadas pelos empresários do setor da indústria, observou a associação.

Ainda da perspetiva do trabalhador, as empresas consideram que o impacto positivo mais significativo prende-se com fatores de bem-estar pessoal (83% das empresas atribuem um impacto positivo ou muito positivo), da qualidade de vida (83%), do apoio à família (76%) e dos custos com deslocações (66%).

No entanto, a maioria dos empresários considera que a medida terá um impacto neutro em fatores como a satisfação no trabalho, a intenção de permanecer na empresa ou o nível de comprometimento com a empresa.

“A esmagadora maioria das empresas concorda (parcial ou totalmente) que, em alternativa ao modelo da semana de quatro dias, seria preferível uma total flexibilidade no modelo a adotar, por acordo entre o trabalhador e a empresa (77% das empresas)”, refere a AEP.

Quando questionados sobre os impactos nas empresas, os inquiridos atribuem um impacto mais negativo ao nível dos lucros (71% das empresas considera negativo ou muito negativo), das queixas dos clientes (70%), da organização dos processos internos (70%), da competitividade (69%) e da produtividade (65%).

Por outro, quanto aos impactos positivos, assinalam os custos de energia (40% das respostas consideram um fator positivo ou muito positivo) e a taxa de absentismo (39%).

Recomendadas

Faturação da Warpcom sobe 14% para 35 milhões de euros

O volume de negócios da empresa de tecnologia portuguesa, adquirida no ano passado pela espanhola Evolutio, aumentou a dois dígitos em comparação com o ano fiscal anterior.

Mota-Engil Engenharia e Instituto de Formação da CPLP reforçam parceria

“A 2ª edição do Projeto Integrado de Formação, Capacitação e Mobilidade de Recursos Humanos já está a ser preparada, procurando combater a imigração irregular e de risco e contribuir para colmatar a necessidade de trabalhadores no setor da Construção Civil em Portugal”, segundo a Mota-Engil.

BPI Gestão de Ativos pontua em indicador de investimento das Nações Unidas

A organização Princípios para o Investimento Responsável atribuiu à gestora a classificação de cinco estrelas em Investimento e Política de Envolvimento.
Comentários