Mais de 50 mil famílias da Área Metropolitana de Lisboa vivem em condições indignas

Mais de 50 mil famílias da Área Metropolitana de Lisboa (AML) vivem em condições habitacionais indignas, conclui um estudo da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa divulgado hoje.

Desses 50 mil agregados (representando 4% do total de famílias), mais de metade vivem em situação de insegurança e insalubridade e cerca de 20% em condições de precariedade.

O “Diagnóstico das Condições Habitacionais Indignas na Área Metropolitana de Lisboa”, apresentado hoje na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, assinala ainda que cerca de um quinto das famílias da AML já têm um encargo superior a 400 euros com renda de casa (sem outras despesas) ou prestação (excluindo seguros, condomínios, etc.), o que representa o dobro da média nacional.

Isto quer dizer que muitas dessas famílias já estão acima dos 40% do seu rendimento usado em despesa com habitação, o que, no entender dos autores do estudo, “coloca em risco o desenvolvimento futuro da AML”.

Além disso, alertam, o quadro agravar-se-á, se nada for feito perante a atual conjuntura.

O estudo estima que quase dois terços das famílias (62%) não tenham acesso à habitação nas atuais condições de mercado – ou seja, não encontrarão habitação adequada sem despender mais de 40% do seu rendimento. E, destacam os investigadores, o terço em falta está em risco de deixar de ter acesso.

O estudo, descrito como “inédito” e “o primeiro levantamento das condições habitacionais indignas realizado à escala metropolitana”, foi produzido para a AML por uma equipa da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, liderada por Ana Pinho, Luís Carvalho e David Vale.

Face a este cenário, os autores do estudo escolhem “duas palavras-chave: urgência e necessidade”.

“É evidente a necessidade e a urgência de uma resposta pública às situações de indignidade habitacional”, afirmam.

Recomendadas

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente (com áudio)

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.

Renda média da habitação com aumento homólogo de 320 euros em novembro

Em relação a novembro de 2021, os valores das rendas mais do que duplicaram em Évora (111,3%), que passou a ser o terceiro distrito mais caro (1.234 euros) depois do Porto e Lisboa, onde o valor da renda chega quase aos dois mil euros.

Avaliação das casas desceu para 1.420 euros\m2 em outubro

Este valor representa uma ligeira descida de nove euros (-0,6%) face ao mês anterior, tendo em termos homólogos se fixado nos 13,5%, em comparação com os 15,6% de setembro.
Comentários