Mais de 500 greves em Portugal até ao final de outubro

Foram comunicadas à DGERT 518 greves em 10 meses. Greves dos enfermeiros e dos estivadores marcaram este final de ano, quer pela duração, quer pelas repercussões.

José Manuel Ribeiro/Reuters

O ano de 2018 foi marcado por uma persistente contestação social, com um total de 518 greves registadas até outubro, número que deverá crescer consideravelmente até ao final do ano, dado que novembro e dezembro têm sido fortes em paralisações.

Os dados publicados pela Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) sobre o número de pré-avisos de greve que lhe foram comunicados mostram um aumento das paralisações entre 2017 e 2018 de 0,97%, mas analisando apenas as greves comunicadas até ao fim de outubro, que é o último mês deste ano registado.

Somando as greves dos três primeiros trimestres deste ano (435) às greves de outubro (83), verifica-se que foram comunicadas à DGERT 518 greves em 10 meses.

No mesmo período de 2017 tinham sido comunicadas 513 greves. No final do ano passado foram registadas 613 paralisações.

Em 2017, o trimestre com mais greves foi o segundo, com 182, o mesmo acontecendo este ano, com o segundo trimestre a registar 207 greves.

No mês de outubro de 2017 foram comunicadas 87 greves à DGERT, enquanto em outubro de 2018 foram comunicadas 83.

Nos últimos dois meses do ano passado a contestação intensificou-se, com um total de 100 greves.

Embora ainda não existam dados oficiais dos meses de novembro e dezembro de 2018, é expectável que a situação se repita, pois os dois últimos meses deste ano estão a ser marcados por sucessivas paralisações.

Só em dezembro já se realizaram, ou estão previstas, greves no setor da panificação, das cantinas escolares, dos ferroviários, dos supermercados, dos registos e notariados e dos centros de atendimento telefónico, entre outros.

Mas foram as greves dos enfermeiros e dos estivadores que mais marcaram este final de ano, quer pela sua duração, quer pelas suas repercussões.

Os enfermeiros, que fizeram várias greves ao longo do ano e em vários hospitais do país, têm em curso até dia 31 a chamada “greve cirúrgica”, que está a levar ao adiamento de centenas de operações por dia.

Os estivadores de Setúbal estiveram em protesto mais de um mês, paralisando a atividade do porto, de onde saem os automóveis da Autoeuropa. O conflito terminou com a assinatura, no dia 14, de um acordo, sob mediação do Governo, que vai levar a uma redução considerável das situações de precariedade laboral.

Os dados da DGERT referem apenas o número de pré-avisos de greve comunicados aos respetivos serviços, não tendo em conta as paralisações que foram suspensas, nem o número de dias de greve que cada pré-aviso prevê.

Relacionadas

Quase 190 comboios nos serviços mínimos para a greve de Natal da CP

Os serviços mínimos da greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal dos próximos dias 24 e 25 incluem a circulação de quase 190 comboios, nos serviços urbanos de Lisboa, nos urbanos do Porto, na Linha de Cascais e na Linha de Setúbal.

Duplicou o número de greves da Administração Pública na governação de Costa

Em 2015, registaram-se 87 protestos e este ano, até final de outubro, os pré-avisos chegaram a 173.

Enfermeiros: greves de 26, 27 e 28 de dezembro canceladas

Anúncio da FENSE, que agrega o Sindicato dos Enfermeiros e o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem, surge após uma reunião com a Comissão Negociadora do Ministério da Saúde e das Finanças, que decorreu na Administração Central do Sistema de Saúde, em Lisboa.
Recomendadas

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quinta-feira

“Há mais hospitais a falhar tempos de espera para consultas de saúde mental”; “Máfia dos passaportes na mira da Polícia”; “Nigéria falha quatro entregas de gás natural a Portugal”

Dia Mundial do Professor. Marcelo felicita docentes pela “competência, dedicação e entusiasmo”

Numa nota publicada na página da Presidência da República na internet, é recordado que hoje se assinala o Dia Mundial do Professor, instituído pela UNESCO para “evidenciar o papel dos professores, absolutamente essencial para o sucesso das novas gerações e no desenvolvimento das sociedades”.

5 de outubro: Marcelo pede que se faça avançar democracia com “caminho para todos”

Num discurso de onze minutos, na cerimónia comemorativa dos 112 anos da Implantação da República, na Praça do Município, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.
Comentários