Mais de 60 aderentes do BE descontentes com atual orientação política

Um grupo de mais de 60 aderentes do BE promove no domingo o Encontro Nacional Convergência com o objetivo de repensar o partido, por discordarem da atual orientação política da direção e do “fechamento” do Bloco.

Segundo uma nota enviada às redações, o encontro está marcado para domingo de manhã, na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa, estando prevista para as 17h00 uma conferência de imprensa no local.

“Há momentos onde é necessária a coragem de começar de novo. Este é um desses momentos em que é necessário ver mais longe do que as ilusões e aparências recomendariam”, pode ler-se na mesma nota.

À agência Lusa, um dos subscritores explicou que a organização está à espera de 200 pessoas para o Encontro Nacional Convergência, que reúne “sensibilidades informais dentro do Bloco de Esquerda como o Novo Curso, Mais Bloco ou Via Esquerda e mais aderentes do partido”.

“São pessoas que consideram que há uma orientação política que não afirma um projeto próprio”, aponta.

Na perspetiva dos organizadores do encontro, é necessário que o “Bloco afirme um projeto político próprio e que assuma que é oposição”.

Os subscritores da convocatória do encontro estão ainda descontentes com questões de democracia interna, criticando “um fechamento grande em termos de capacidade de debate e de acolher diferentes opiniões” por parte da atual direção, liderada por Catarina Martins.

“Aderentes do Bloco de Esquerda de todo o país, ativistas de diversas sensibilidades e origens, reúnem-se no Encontro Nacional Convergência com o propósito de contribuir para repensar o Bloco, a sua presença e intervenção na sociedade, em tempos de grande exigência para enfrentar o colapso ambiental, mobilizar forças e vontades pela igualdade, pela justiça e pelo socialismo”, lê-se na nota à imprensa.

De acordo com o mesmo texto, “reconstruir a pluralidade, respeitar a diversidade, pugnar pela unidade para conseguir caminhos de afirmação são desafios que se colocam num encontro com debate livre e por alternativas”.

Entre as mais de 60 pessoas que assinam a convocatória estão nomes com os ex-deputados Carlos Matias e Pedro Soares, e Mário Tomé, antigo deputado da UDP e o mandatário nacional do BE nas legislativas deste ano.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários