Mais de 7 mil voos cancelados em todo o mundo no fim de semana de Natal

Só hoje contabilizaram-se dois mil cancelamentos de voos, 570 dos quais dizem respeito a viagens internacionais ou internas nos EUA.

Mais de 7.000 voos foram cancelados, em todo o mundo, no fim de semana de Natal, face à propagação da nova variante do vírus SARS-CoV-2, Ómicron, segundo dados do ‘site’ FlightAware.

Só hoje contabilizaram-se 2.000 cancelamentos de voos, 570 dos quais dizem respeito a viagens internacionais ou internas nos EUA.

No sábado, segundo a mesma página ‘online’, já tinham sido cancelados quase 2.800 voos, e 970 dos quais dizem respeito a viagens com origem ou destino nos EUA, enquanto na sexta-feira verificaram-se 2.400 cancelamentos e 11.000 atrasos.

Companhias como a Lufthansa, Delta e United Airlines cancelaram vários voos após os seus pilotos, comissários de bordo e outros funcionários terem estado expostos ao novo coronavírus.

Os dados da FlightAware revelam que a United Airlines cancelou 439 voos, entre sexta e sábado, 10% do total programado.

“O pico de infetados com a Ómicron em todo o país, durante esta semana, teve um impacto direto nas nossas tripulações”, apontou, no sábado, a United Airlines, citada pela Agência France Presse (AFP).

A Delta Airlines, por sua vez, cancelou 470 voos, entre sexta-feira e sábado.

Pelo menos, uma dezena de voos da Alaska Airlines também foram cancelados, no período em causa, após os funcionários terem estado “potencialmente expostos ao vírus”.

A Lusa contactou a TAP para saber quantos voos já foram cancelados, mas não obteve resposta.

No entanto, segundo os dados disponíveis no ‘site’ da ANA, no que se refere ao Aeroporto de Lisboa, contabilizam-se hoje nove voos cancelados nas chegadas, oito da TAP e um da Orbest, e 11 nas partidas, todos da transportadora aérea portuguesa.

Por sua vez, no sábado já tinham sido registados nove voos cancelados nas partidas do Aeroporto Humberto Delgado, sete dos quais da TAP, e 10 nas chegadas, oito da TAP.

Na sexta-feira, tinham-se verificado nove voos cancelados nas chegadas e 10 nas partidas.

Desde total, 17 pertenciam à TAP e os restantes à Transavia.

No que diz respeito ao Aeroporto do Porto, somaram-se hoje dois voos cancelados nas chegadas e dois nas partidas, envolvendo as companhias TAP e Wizz Air Hungary.

Neste aeroporto totalizaram-se, na sexta-feira, cinco voos cancelados nas chegadas e dois nas partidas, enquanto no sábado verificaram-se mais três cancelados nas chegadas e dois nas partidas.

No que concerne a este aeroporto, a maioria dos voos cancelados, entre sexta e sábado, pertenciam à companhia Wizz Air, seguida pela TAP.

Segundo os dados disponíveis do ‘site’ da ANA, não foram registados cancelamentos no Aeroporto de Faro, entre sexta-feira e sábado.

Já hoje não se verificaram, novamente, cancelamentos nas chegadas, mas houve um cancelamento da TAP nas partidas.

A covid-19 provocou mais de 5,38 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 89 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

SICAD alerta para o risco da pobreza fazer renascer consumos dos anos 80 e 90

O diretor-geral do serviço de intervenção nas dependências alertou hoje para o risco da pobreza fazer renascer os consumos “catastróficos” dos anos 80 e 90, caso não seja reforçada a resposta que está muito carenciada de meios humanos.

Família unida, coesão do Reino Unido e Commonwealth: os desafios do rei Carlos III em análise

“Isabel II: Rainha e Mulher” é o novo livro de Alberto Miranda, jornalista e especialista em famílias reais. Nesta entrevista ao JE, este especialista aponta aqueles que serão os três maiores desafios do seu sucessor no trono britânico, o rei Carlos III.
Comentários