Mais de metade do PIB europeu vem de apenas três países

Portugal é o 14º país da lista e não ultrapassa os 1,2% do produto interno bruto europeu, que se fixou nos 14.800 mil milhões de euros em 2016.

Francois Lenoir/Reuters

O produto interno bruto (PIB) da União Europeia (UE) atingiu os 14.800 mil milhões de euros em 2016, sendo que mais de metade do valor foi gerado por três Estados-membros, de acordo com os dados publicados esta segunda-feira pelo Eurostat.

A Alemanha, o Reino Unido e França foram os países que mais contribuíram no ano passado para o bolo europeu. O PIB alemão representou mais de um quinto do total europeu (21,1%), o equivalente a 3.100 mil milhões de euros, em 2016, enquanto do Reino Unido vêm 16% do PIB e de França 15%. Itália, com 11,3%, e Espanha, com 7,5%, fecham o top das primeiras cinco posições.

Portugal não foi além da 14ª posição com uma contribuição de 1,2% do PIB, ou seja, 184.931 milhões de euros. A fechar a lista estão Malta, Chipre, Estónia, Letónia, Lituânia, Eslováquia, Eslovénia, Croácia, Bulgária, Luxemburgo e Hungria. Todos estes contribuem com menos de 1% do PIB para a UE.

Fonte: Eurostat

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta terça-feira

Alemanha e Espanha arrancam com as divulgações da pressão de preços em novembro, embora em fases diferentes do fenómeno. Em ambos os casos, o impacto para a economia da moeda única será substancial, pelo que os investidores procurarão sinais sobre a política monetária europeia de médio-prazo.

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.

Cáritas já recebe pedidos de quem não consegue pagar empréstimo da casa

“O pânico foi imediato. O receio das pessoas, a angústia com que se aproximavam de nós a dizer ‘ai, se eu perco a minha casa’. É que nós tivemos uma crise em que houve muita gente a perder a casa; é recente ainda, está na memória das pessoas – 2008”, afirmou Rita Valadas.
Comentários