Mais de um milhão de pessoas já regressaram à Ucrânia desde o início da guerra

Desde o início da guerra, mais de três milhões de pessoas deixaram a Ucrânia e mais de um milhão já regressaram, afirmou o ministro do Interior ucraniano, Denís Monastirski.

O ministro do Interior ucraniano, Denís Monastirski, informou este sábado que, desde o início da guerra, mais de três milhões de pessoas deixaram o país e que mais de um milhão já regressaram.

“Durante toda a guerra, 3.640.000 pessoas deixaram a Ucrânia e 1.130.000 já regressaram. Cerca de 31.000 veículos de ajuda humanitária foram trazidos para o país”, afirmou o ministro, numa mensagem de vídeo, citada pela agência EFE.

Segundo referiu, os guardas da fronteira ocidental praticam um regime simplificado de entrada e saída de cidadãos com os países da União Europeia e com a Moldova.

Explicou ainda que com parte das regiões de Kiev, Chernigiv e Sumy libertadas dos ocupantes, os guardas de fronteira regressaram aos seus postos.

A agência de informação ucraniana aponta que, em quase dois meses de guerra, foram descobertos 85 grupos de sabotagem e reconhecimento e que 659 pessoas foram presas.

A Rússia iniciou a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Recomendadas

Ucrânia pede ao G7 mais armas e mais sanções contra Moscovo

“A cimeira do G7 deve responder com mais sanções contra a Rússia e mais armas pesadas para a Ucrânia”, insistiu o chefe da diplomacia ucraniana, Dmytro Kouleba, na rede Twitter.

Reino Unido apela no G7 a apoio “pelo tempo que for necessário” à Ucrânia

O apelo, refere a agência de notícias Efe, que cita um comunicado do Governo de Londres, vai ser feito no arranque da cimeira do G7, que começa hoje e vai durar três dias, no sul da Alemanha.

Reino Unido, EUA, Canadá e Japão proíbem importações de ouro russo

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou, num comunicado, que “estas medidas atingirão diretamente os oligarcas russos e irão até ao coração da máquina de guerra de Putin”.
Comentários