Mais medidas restritivas de Boris Johnson não convencem conservadores

O partido de Boris Johnson não concorda com as medidas restritivas aplicadas na altura do Natal e do Ano Novo mas estas devem ser aprovadas no parlamento britânico.

As medidas restritivas que o primeiro-ministro britânico pretende implementar para travar a propagação do vírus mas o parlamento não pareceu convencido, revela a “Reuters”. De facto, o o próprio partido de Johnson manifestou-se contra a votação que pretendia aplicar mais restrições devido à variante Ómicron antes do Natal.

Apesar da manifestação contra a instauração de medidas, o parlamento deve aprovar medidas semelhantes a Portugal, com recurso aos votos dos trabalhistas. As pessoas têm a obrigatoriedade de trabalhar a partir de casa, ou seja, recorrer ao teletrabalho, usar máscaras em espaços públicos e utilizar o certificado digital para entrar em alguns locais públicos.

Boris Johnson encontra-se atualmente sob pressão política depois de ter sido tornado público que Downing Street deu algumas festas quando foi pedido que as famílias se evitassem juntar durante a época festiva de fim do ano.

Muitos políticos conservadores têm dito que as restrições são “draconianas” e questionaram a introdução de um certificado digital na sociedade, nomeadamente quando é para entrar em sítios públicos como discotecas e bares.

Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários