Mais pessimista do que o Governo, BdP vê economia a crescer 3,9% em 2021

No Boletim Económico de dezembro, o regulador mantém a projeção de uma contração do PIB de 8,1% este ano e projeta uma recuperação de 4,5% em 2022 e 2,4% em 2023.

mario_centeno_banco_de_portugal_1
José Sena Goulão/Lusa

O Banco de Portugal (BdP) está mais pessimista do que o Governo e prevê uma recuperação da economia de 3,9% em 2021, abaixo dos 5,4% previstos pelo Executivo no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).  No Boletim Económico de dezembro, publicado esta segunda-feira, o regulador mantém a projeção de uma contração do PIB de 8,1% este ano e projeta uma recuperação de 4,5% em 2022 e 2,4% em 2023.

O BdP é a instituição mais otimista para as estimativas do PIB deste ano, com uma quebra menor do que a projetada pelo Governo, que está a contar com uma queda do PIB de 8,5% este ano. O Conselho das Finanças Públicas (CFP) estima uma queda de 9,3%, bem como a Comissão Europeia, enquanto a OCDE prevê uma contração de 8,4%. Já o FMI projeta um recuo do PIB de 10%.

“As projeções mantêm a estimativa para o PIB de 2020 divulgada em outubro, devido à conjugação de dois fatores de sentido oposto: a recuperação no terceiro trimestre foi superior ao antecipado, mas a evolução da pandemia e das medidas de contenção levaram à revisão em baixa da atividade no quarto trimestre”, explica o regulador.

Para 2021, as Finanças já vêem a economia a crescer 5,4%, em linha com o estimado por Bruxelas. Já o CFP antecipa uma expansão de 4,8%, enquanto o FMI de 6,5%. A OCDE é a instituição internacional mais pessimista projetando um crescimento de 1,7%.

As projeções do regulador assumem que as restrições são gradualmente retiradas a partir do primeiro trimestre de 2021, embora a atividade permaneça condicionada até ao início de 2022, altura em que considera que a vacina terá produzido os efeitos necessários contra a pandemia.

“A atividade económica deverá retomar o nível anterior à pandemia no final de 2022”, considera o BdP, vincando que “a retoma projetada beneficia das decisões de política monetária e orçamental de resposta à crise”.

O regulador perspetiva que a melhoria da atividade económica se irá refletir no mercado de trabalho, com um aumento do emprego a partir de meados do próximo ano e de forma gradual entre 2021 e 2023. Neste sentido, também a taxa de desemprego aumenta para 7,2% em 2020 e 8,8% em 2021, reduzindo-se para 7,4% em 2023.

O governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, salientou durante a apresentação do boletim que “esta recessão tem uma dinâmica muito distinta das recessões precedentes”.

“Se compararmos com a recessão de 2011, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) manteve um comportamento resiliente. Foi a componente do PIB que mais caiu na última recessão e tem tido um comportamento bastante contido durante o ano de 2020 e iniciará uma recuperação já em 2021”, disse. O BdP projeta que a FBCF caia 2,8% em 2020, após o que cresce a uma taxa média de 3,9% em 2021-23, “sustentada pelas medidas de apoio às empresas e pelo recebimento de fundos europeus”.

Se o consumo privado cai 6,8% este ano, o BdP estima que com o desvanecer das medidas de contenção cresça ao longo do período 2021-23, pelo que o consumo público irá crescer em todos os anos do horizonte de projeção.

Já as exportações de bens e serviços têm uma quebra de 20,1% este ano, recuperando nos anos seguintes, com crescimento acumulado de 31,5% até 2023.

“A dissipação gradual das medidas de distanciamento social implicam uma recuperação mais lenta das exportações de turismo e serviços relacionados. Projeta-se que as importações de bens e serviços se reduzam 14,4% em 2020 e aumentem 24,7% até 2023”, refere.

O regulador sublinha ainda que “as perspetivas económicas permanecem rodeadas de elevada incerteza, estando dependentes da evolução da pandemia e da rapidez da vacinação em larga escala. O ritmo da retoma da atividade económica será condicionado pelo impacto da crise sobre a capacidade produtiva e pela necessária reafectação de recursos entre empresas e entre setores”.

“O aumento do endividamento público e privado e do risco de crédito colocam desafios importantes à economia portuguesa nos próximos anos. As políticas nacionais e supranacionais vão continuar a ter um papel fundamental na recuperação e resiliência da economia nacional, devendo promover a retoma do investimento e a correta afetação de recursos”, frisa.

(Atualizado às 17h29)

Recomendadas

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.
Comentários