Mala Voadora, no Porto, recebe performance de Jamile Cazumbá

Jamile é uma multiartista que transita entre as artes visuais e cénicas, a curadoria, a produção e o cinema. Atualmente dedica-se, sobretudo, a ‘obras-processo’, nas quais, tendo como suporte a performance, o desenho e a linguagem, investiga as memórias inscritas nos corpos de mulheres negras, na confluência com as expressões visuais.

Estreia no Porto a dia 20 de janeiro, o ritual-recital-performático III ou “um lugar que eu digo saber inventar”,  uma performance de Jamile Cazumbá, onde o transe serve como ponto de ignição para uma revisita à memória inteligível dos corpos.

Jamile é uma multiartista que transita entre as artes visuais e cénicas, a curadoria, a produção e o cinema. Atualmente dedica-se, sobretudo, a ‘obras-processo’, nas quais, tendo como suporte a performance, o desenho e a linguagem, investiga as memórias inscritas nos corpos de mulheres negras, na confluência com as expressões visuais.

“Viver é transitar entre uma teia de camadas que se enviesam e coreografam o existir. É o corpo que circula, apreende e repele cada passo da costura. É no corpo que experiencio a liberdade e as amarras dos movimentos. A cada passo o meu corpo sente e prevê o peso e a leveza da sua presença: O peso de ser um corpo gerado, criado, e vívido na Bahia, território mais letal do nordeste, onde 100% das pessoas mortas por polícias, são pretas”, explica Jamile Cazumbá.

“O peso de ser um corpo feminino preto que vive em fronteiras de guerra onde o estigma se converte em dados numéricos de 61,8%. Meu corpo preto-pêndulo sente o peso da possibilidade de não mais existir. Meu corpo preto-pêndulo sente a leveza da possibilidade da presença. Proponho uma ação de conversão, onde os gráficos de morte se transformem em gráficos de vida, meu corpo-gráfico, minha língua-gráfico, meu desenho-gráfico: um ritual-recital-performático”, acrescenta a artista.

A produção é de Isabél Zuaa, a música original de Filipe Mimoso e o figurino de Teresa Abreu.

A performance terá lugar na Mala Voadora, na Rua do Almada, número 277, no Porto  na próxima sexta, dia 20 de janeiro, pelas 19h00.

Os bilhetes custam cinco ou três euros (com descontos) e as reservas podem ser feitas através dó email:  reservas@malavoadora.pt

 

Recomendadas

Grandes nomes da fotografia norte-americana do séc. XX na Casa dos Cubos

A coleção “Farm Security Administration” é um dos mais extraordinários arquivos fotográficos da História e está agora em exposição no Centro de Estudos de Fotografia – Casa dos Cubos, em Tomar, até dia 19 de março.

Balena cria materiais biodegradáveis para a moda

A Balena criou um termoplástico biodegradável e compostável que pode ser integrado nos processos de fabrico de vestuário existentes.

Celebrar 20 anos de KINO, a mostra de cinema de expressão alemã

De 2 a 8 de fevereiro, o Goethe-Institut Portugal traz a Lisboa o melhor cinema da Alemanha, Áustria, Suíça e Luxemburgo. Mas não só. Fazendo jus ao mote deste ano, “Novos Começos”, o cinema de expressão alemã vai estender-se a outras três cidades: Lagos, Coimbra e Porto.
Comentários