Desperdício alimentar deverá ter impacto económico de 1,5 mil milhões de euros em 2030

Um milhão de toneladas de alimentos é desperdiçado todos os anos, em Portugal. Uma média de 100 quilos por pessoa, ao mesmo tempo que 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza.

As previsões relativas ao impacto económico do desperdício alimentar apontam para um valor na ordem de 1,5 mil milhões de euros em 2030. Por enquanto, um milhão de toneladas de alimentos é desperdiçado todos os anos em Portugal, o que resulta numa média de 100 quilos por cada português.

De acordo com os dados divulgados esta quarta-feira pelo movimento Unidos Contra O Desperdício, em comunicado, 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, com 360 mil a sofrerem de carências alimentares.

O mesmo movimento lembra que os números a nível global são, também eles, preocupantes. O desperdício alimentar anual é cerca de 75 quilos por ano, por pessoa, sendo no consumo que reside a maior fonte de desperdício, com cerca de 40% do total. A dimensão dos números é tal que, se o desperdício alimentar fosse um país, estaria entre os 7% mais ricos e seria o 3.º maior emissor de gases com efeito de estufa, com aproximadamente 10% do total das emissões de CO2 no mundo.

O movimento Unidos Contra O Desperdício procura lutar contra esta tendência e divulgou números nacionais e globais, no âmbito do Dia Internacional da Consciencialização Sobre Perdas e Desperdício Alimentar, que marca esta quinta-feira e foi decretado pela ONU a 29 de setembro de 2020.

Francisco Mello e Castro, coordenador do movimento, não tem dúvidas de que “inúmeras empresas e cidadãos comuns estão a mudar os seus processos e estilos de vida com a ajuda da influência positiva do Movimento e das suas campanhas.”

Recomendadas

Confederações agrícolas unem-se contra extinção das direções regionais do sector

Em comunicado conjunto enviado esta quarta-feira às redações, AJAP, CAP, CNA e Confagri referem que o entendimento “unânime” é de que a decisão é “altamente lesiva” para o sector agrícola. No documento, apela-se a que o Governo volte atrás na decisão, de forma imediata e inequívoca.

“Apoio ao rendimento dependerá de produção sustentável”, diz ministra da Agricultura

A ministra da Agricultura e da Alimentação considera que a reforma da Política Agrícola Comum vai valorizar a pequena e média agricultura, de proximidade e circuitos curtos, apostando em simultâneo no reforço da competitividade.

Escola Agrária de Elvas ensina agricultura sustentável há 22 anos

Muito antes das orientações estratégicas da ONU ou de Bruxelas, já o Politécnico de Portalegre, oferecia um mestrado em agricultura sustentável. O tema, um dos grandes desafios da humanidade, impulsiona ofertas no ISA e no IPLeiria.
Comentários