Manso Neto: “Não é nada evidente que Sines seja a melhor forma de importar gás para a Europa” (com áudio)

“O que temos que nos interrogar é por que é que as renováveis crescem mas falham sistematicamente as metas”, disse o executivo no painel “Portugal, a Europa e a transição climática e energética” da conferência do Jornal Económico que decorre esta manhã no ISEG. 

João Manso Neto, CEO da Greenvolt, defendeu esta manhã, na conferência do 6.º aniversário do Jornal Económico, que “o caminho passa necessariamente pelas renováveis”, identificando, porém, o problema do cumprimento das metas.

“O que temos que nos interrogar é por que é que as renováveis crescem mas falham sistematicamente as metas”.

“Pensar no futuro é ótimo, mas acho que o desafio em termos genéricos é com a tecnologia disponível, com aquilo que existe, o que é que é possível fazer?, questionou.

A questão do porto de Sines mereceu especial atenção por parte do painel “Portugal, a Europa e a transição climática e energética”, durante o qual o executivo da Greenvolt afirmou que “a história de Sines tem de se ver do ponto de vista custo-benefício”.

“Não é nada evidente que Sines seja a melhor forma de importar gás para a Europa. Investir em Sines para aumentar gás para a Europa quando há um terminal em Espanha que nunca funcionou”, considerou.

“Se nos temos dúvidas sobre o gás a longo prazo, é assim tão evidente investir muitíssimo em tubos?”, questionou Manso Neto.

No que diz respeito à aposta nas energias renováveis como parte do plano de transição energética, Manso Neto identifica um problema fundamental: a questão do licenciamento e de ter projetos autorizados nesta área.

“As energias renováveis são baratas, em termos de custo, não obstante os custos de investimento. O problema é ter projetos aprovados. Quem os tiver ganha. Não é falta de dinheiro, mas licenciamento”, justificando com questões fundamentalmente ambientais.

 

Relacionadas

“Temos que simplificar muito mais as políticas ambientais”, defende presidente da APA

Nuno Lacasta, presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, considerou que “temos que simplificar muito mais as políticas ambientais, temos de acelerar” este processo, durante a conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

“A correção dos erros estratégicos da dependência energética exige tempo”, defende Eduardo Catroga

O antigo ministro das Finanças defendeu, na conferência organizada pelo Jornal Económico que decorre esta manhã no ISEG, que é imprescindível seguir-se uma “política energética coerente”, que “tem de equilibrar o pilar da segurança energética, o da competitividade de preços para empresas e famílias e o do ambiente”.

Reveja aqui conferência de aniversário do Jornal Económico

O evento reúne líderes dos mais variados sectores, governantes e especialistas que ao longo da manhã discutem os temas mais marcantes da aualidade. Acompanhe em direto o evento que assinala o 6.º aniversário do JE.
Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.
Comentários