Manso Neto: “Fizemos propostas mas a última decisão foi do Governo”

“A interação da EDP com os governos é natural e inevitável porque a EDP é parte interessada nos dossiers”, disse Manso Neto que é arguido num processo que se baseia na influência da EDP no processo legislativo do Governo quando Manuel Pinho era ministro da Economia.

Cristina Bernardo

O presidente executivo da EDP Renováveis, João Manso Neto, está a ser ouvido esta terça-feira na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia, depois de em várias audições ter sido referido o seu envolvimento na criação dos CMEC.

João Manso Neto, é um dos arguidos no processo que investiga os procedimentos relativos à introdução no setor elétrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC).

O CEO da EDP Renováveis, antes de fazer a sua apresentação da passagem dos CAE para os CMECs, diz que a EDP participou em todo o processo legislativo do Governo, fez propostas mas “a última decisão era do Governo”.

“A EDP teve sempre uma interação grande com vários governos em matéria de legislação. A EDP participou de forma aberta em todo o processo legislativo, como não podia deixar de ser”, começou por dizer o administrador da empresa de renováveis, João Manso Neto.

João Manso Neto diz no fundo que a EDP fez a proposta de legislação quando foi pedido, mas sublinha que a decisão é sempre do Governo.

A EDP era alvo das alterações legislativas e tinha grandes investimentos a fazer para adaptar a lei. “Fazemos propostas, não nos coibimos de o fazer quando o pedem, mas quem decide a legislação é o Governo”. Recorde-se que João Manso Neto é arguido tal como António Mexia num processo do Ministério Público.

Os dois administradores são suspeitos de corrupção ativa e de participação económica em negócio, num processo em que segundo o Ministério Público, se investiga “factos subsequentes ao processo legislativo bem como aos procedimentos administrativos relativos à introdução no setor elétrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC)”. Os designados CMEC são uma compensação relativa à cessação antecipada de contratos de aquisição de energia.

Por isso o CEO da EDPR veio acompanhado de advogado, e começa por fazer a ressalva que é arguido num processo crime e pode haver matérias com reserva de resposta.

Mas na sequência da resposta aos deputados, já após a apresentação, lembrou que se chegaram a sentar três bancos no Conselho de Administração da EDP: a CGD, o BCP e o BES, que “até era o mais pequeno”. Manso Neto afirmou mesmo que “o BESI – BES Investimento nunca foi privilegiado”.

“O  conceito de rendas excessivas não existe  e resulta de erros de interpretação”, começou por dizer Manso Neto que leva para o Parlamento uma apresentação que demonstra que houve neutralidade económico-financeira com a passagem dos CAE para os CMECs.  O conceito errado das “rendas excessivas” fundamentou-se em dois relatórios Relatório da Secretaria de Estado da Energia (SEE) de 2012 e Relatório da ERSE sobre o Cálculo do Ajustamento Final de 2017″, disse ainda. “O que é correto e relevante fazer é a comparação direta do Valor Atual Líquido
dos CAE face ao dos CMEC”, referiu Manso Neto que acrescentou que “dadas as diversas alterações legais e regulatórias ao longo do tempo, o valor dos CMEC é hoje efetivamente inferior ao valor dos CAE”.

O termo “rendas excessivas” surge “tipicamente associado a 3 aspetos passagem do regime de CAE para o mecanismo CMEC; a extensão do Domínio Público Hídrico; e Renováveis”, disse.

“Importa referir que o conceito errado das “rendas excessivas” surge antes da existência de qualquer estudo ou análise a algum destes temas, com o envio de uma carta de intenções do Governo à Troika em dezembro 2011 para endereçar este tema”, disse.

O CEO da subsidiária da EDP disse que “o mecanismo dos CMEC surge na sequência de negociações diretas entre o Governo Português e a Comissão Europeia (CE) e a sua adoção foi um processo transparente e amplamente participado”.

O gestor disse ainda que a passagem dos Contratos de Aquisição de Energia para o regime de Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) resultou de uma decisão comunitária que o Governo teve de implementar e impôs à EDP  um risco “muito superior”. O regime dos CMEC impõe ao produtor um nível de risco bastante superior ao que este enfrentava no regime de CAE, defendeu. O gestor defendeu que a elétrica até foi prejudicada em 741 milhões com a mudança para os CMEC. Uma parte deste valor resultou da opção da empresa em reduzir o valor inicial dos CMEC durante os anos da troika. “Incumprimentos contratuais e simplificação metodológica impactaram a EDP em 501 milhões e 240 milhões de euros, respetivamente”, disse.

“A passagem CAE/CMEC resulta de imposições europeias e de compromissos governamentais no âmbito da criação do MIBEL e foi implementada através de um processo auditado e escrutinado com total transparência”, acrescentou.

Segundo Manso Neto, a EDP acabou por aceitar o regime CMEC porque “respeitamos a lei, porque era essa a vontade dos acionistas e o maior acionista era o Estado e porque não nos podemos acantonar no passado e devíamos passar ao mercado, desde que assegurando a neutralidade financeira alinhado com a liberalização do mercado definida a nível comunitário e nacional”, disse.

Em regime de CAE o produtor apenas enfrenta o risco operacional/técnico, que se traduz em maximizar a disponibilidade da central, disse Manso Neto. Já em regime dos CMEC o produtor, nos primeiros 10 anos, para além do risco operacional, assume o risco de gestão da energia (mercados, preço, quantidade, horas de produção, aquisição de combustíveis), apenas recebendo a remuneração dos CAE em condições de gestão eficiente, avaliadas
pelo modelo de otimização Valorágua”.

Nos 10 anos finais, “para além do risco operacional, o produtor assume na íntegra o risco de mercado. Mesmo com uma gestão eficiente, se as variáveis de mercado forem adversas, o produtor não será compensado e não atingirá a remuneração que obteria em regime de CAE. Enfrenta risco regulatório acrescido”, explicou aos deputados. A decisão da EDP de aceitar os CMEC “foi suportada em duas fairness opinions de entidades independentes (Rotschild & Co e Deloitte)”.

Em termos de Valor Atual Líquido dos CAE, Manso Neto diz que “o Decreto-lei 240/2004 efetuou uma simplificação na definição das taxas de desconto, que foi apenas em parte compensada na definição da taxa de anuidade”. A simplificação foi “descontar o valor dos CAE e das estimativas de receitas de mercado à mesma taxa (OT + 25 pontos base), o que tendo em conta o período de 10 anos tem de facto mais risco”, disse o gestor que defende que devia ter sido considerada uma taxa de desconto mais elevada devido ao risco mais elevado  dos cash flows dos últimos 10 anos”, disse.

(em atualização)

 

Relacionadas

Prazo da comissão de inquérito às rendas excessivas prolongado mais dois meses

A comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia já só termina em março do próximo ano, segundo o projecto de resolução da Assembleia da República que determinou a prorrogação do prazo do inquérito por mais 60 dias.

Manso Neto ouvido hoje na comissão de inquérito às rendas excessivas da energia

O presidente executivo da EDP Renováveis, João Manso Neto, é ouvido esta terça-feira na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia, depois de em várias audições ter sido referido o seu envolvimento na criação dos CMEC.

E-mails trocados entre EDP e Pinho precisam de “um maior escrutínio”, diz PSD sobre rendas excessivas

A EDP terá participado no planeamento do regime das rendas excessivas, elaborando o draft da legislação que foi a Conselho de Ministros. PSD vai apontar hoje baterias a líder da EDP Renováveis, envolvido na criação dos chamados CMEC. Emails trocados entre a eléctrica e o gabinete do então ministro Manuel Pinho voltam hoje a ser esmiuçados na comissão de inquérito.
Recomendadas

Receitas das estações de serviço na Ibéria cresceram 29% em 2021 devido à subida dos preços

De acordo com a análise que a Informa D&B realizou a este setor, em 2021 o mercado ibérico registou um aumento significativo de 10,6% face a 2020 no volume das vendas de gasolina e gasóleo, que corresponde a 38,30 milhões de toneladas de combustível.

Dona da Betano celebra primeiro ano da TechHub de Lisboa com reforço das equipas

O Tech Hub da Kaizen Gaming em Lisboa já emprega trinta pessoas e o objetivo passa por continuar a crescer no mercado português. Nesse sentido, serão abertas vagas para diversas funções.

PremiumFintech House muda de sede para duplicar número de startups

‘Joint venture’ da associação Portugal Fintech e da rede de espaços de trabalhos partilhados Sitio investiu perto de um milhão de euros na mudança do edíficio na Praça da Alegria para o da Avenida Duque de Loulé, com dez pisos e mais de 2 mil metros quadrados.
Comentários