Manuel Caldeira Cabral: “Neste momento estamos a ter outra vez capacidade de atração de investimento”

Numa conferência sobre a competitividade e crescimento, organizado pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o ministro da Economia no primeiro Executivo de António Costa explicou que há cerca de 15 anos a entrada dos países de Leste no bloco europeu representou um choque externo na competitividade da economia portuguesa.

O ex-ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral defendeu esta segunda-feira que Portugal recuperou a capacidade de atração de investimento estrangeiro que estagnou com a entrada de países da Europa de Leste na União Europeia.

Numa conferência sobre a competitividade e crescimento, organizado pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o ministro da Economia no primeiro Executivo de António Costa explicou que há cerca de 15 anos a entrada dos países de Leste no bloco europeu representou um choque externo na competitividade da economia portuguesa, já que os salários mais baixos representaram um entrave à economia portuguesa.

“Concorreram na atração de novo Investimento Directo Estrangeiro, nomeadamente no setor automóvel”, disse.

No entanto, explicou que “neste momento estamos a ter outra vez capacidade de atração de investimento”, justificando que “em parte, porque estes países já tiveram subida de salários”.

Relacionadas

Manuel Caldeira Cabral: “Comparações com a Grécia e Itália são patetas e mal-informadas”

Ex-governante realça o bom comportamento das exportações portuguesas, que crescem acima da média comunitária desde 2005, mantendo-se a tendência mesmo nos anos da troika.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Euribor sobem a três, seis e 12 meses para novos máximos de quase 14 anos

As taxas Euribor subiram hoje para novos máximos desde o início de 2009 a três, seis e 12 meses.

Maioria dos europeus tem hoje maior dificuldade em fazer face às despesas mensais

O disparo dos preços tem levado as famílias europeias a ter maior dificuldade em equilibrar o orçamento mensal. Não há dados específicos para Portugal, mas também cá os salários reais têm caído e o poder de compra emagrecido.
Comentários